quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Sobre a "popularidade" do Hamas entre os palestinos, o conteúdo da nova edição da revista Obreiro e a volta das indulgências

Durante a ofensiva de Israel contra o Hamas em Gaza, costumeiramente ouvíamos os opositores de Israel sustentando que a ação israelense, mesmo sendo legítima, resultaria em fortalecimento do Hamas diante do seu próprio povo. Diziam esses comentaristas que os palestinos iriam culpar Israel pelos ataques em Gaza, recrudescendo seu ódio contra os judeus e fortalecendo o Hamas na região. Entretanto, os números de uma pesquisa recente jogam por terra todas essas previsões.
Anteontem foi divulgada uma pesquisa feita pelo Centro de Opinião Pública Palestino sobre a popularidade do Fatah e do Hamas na Faixa de Gaza e na Cisjordânia. O resultado mostra que a popularidade do Hamas despencou após a resposta de Israel.
Em novembro, antes da guerra, o Hamas era apoiado por 51,5% da população da Faixa de Gaza (onde o Hamas domina); agora, é apoiado por apenas 27,8%. O Fatah, por sua vez, que em novembro tinha o apoio de apenas 32,5% dos palestinos de Gaza (por causa das denúncias de corrupção em seu governo exploradas pelo Hamas nos últimos anos), agora, depois da ofensiva de Israel, conta com o apoio de 42,5% da população em Gaza. E mesmo o Fatah tendo diminuído seu prestígio na Cisjordânia (onde domina) devido justamente àquelas acusações de corrupção, ainda é o preferido dos palestinos ali. O Fatah não detém mais os 68,6% de apoio que lhes eram conferidos pelos palestinos da Cisjordânia até alguns meses atrás, porém ainda continua com expressivos 40% de apoio na região, contra apenas 23,7% de apoio ao Hamas. Ou seja, caso fossem realizadas eleições hoje entre os palestinos, o Hamas perderia de goleada. Pela média, Fatah 41%, Hamas 26%.
Ou seja, até os palestinos, inclusive os da Faixa da Gaza, reconhecem a responsabilidade do Hamas na tragédia que os acometeu em janeiro. A pesquisa mostra que o Hamas não só se saiu enfraquecido militarmente, mas também popularmente. Só na Grande Mídia, na "esquerda chique" e em universidades, o Hamas chega perto de 100% de popularidade.

Creio que vocês já devem ter lido nos jornais, mesmo assim vale a pena o registro: as indulgências voltaram com tudo na Igreja Católica. Com o objetivo de revalorizar a doutrina romanista da penitência, o papa Bento 16 resolveu dar seqüência, e com mais força, ao movimento das indulgências reencetado pelo seu antecessor João Paulo 2 há nove anos.
A repercussão no seio do catolicismo tem oscilado entre o fervor e o receio. Em entrevista ao jornal The New York Times de ontem, o bispo Nicholas A. DiMarzio, de Nova Iorque (EUA), um dos bispos que aderiram fervorosamente à orientação do Vaticano, justificou sua adesão, afirmando: "A idéia da indulgência perdeu a força, juntamente com muitas outras coisas na igreja, mas nunca foi abandonada. Estava sempre ali. Queremos só que as pessoas retornem às idéias que conheciam no passado".
Em relação ao movimento de indulgências do século 16, a diferença é que as indulgências atuais não são vendidas. Em vez de pagar por elas, os fiéis católicos agora terão de se dirigir ao confessionário para receberem dos padres a orientação quanto ao ritual a ser seguido para diminuir seus sofrimentos no Purgatório. O perdão almejado é recebido via o cumprimento de alguns rituais específicos de orações e pela prática de devoções especiais e romarias em datas consideradas sagradas para os católicos.
E pensar que alguns evangélicos mais condescendentes com o romanismo ficaram entusiasmados quando Bento 16 surpreendeu-nos meses atrás dizendo que tinha uma queda por Lutero...

A próxima edição da revista Obreiro, referente ao segundo trimestre, já estará à venda a partir do final de fevereiro e início de março. O tema desta edição é Doutrinas bíblicas pentecostais, abordando temas como batismo no Espírito Santo, línguas como evidência física inicial do batismo no Espírito, dons espirituais e seu uso, a questão das visões e dos sonhos, cura divina, Escatologia na perspectiva do pentecostalismo clássico, Santificação e Fruto do Espírito. Os articulistas são os pastores Stanley Horton, R. L. Brandt (artigo escrito antes de seu falecimento em 2007), Antonio Gilberto, Gordon Chown, Elienai Cabral, Elinaldo Renovato, José Gonçalves e este escriba. Os entrevistados desta edição são os pastores Antonio Gilberto e Josué Brandão.
Para assinar a revista, os telefones são (21)2406-7416 e 2406-7418. Para comprar cotas ou adquirir exemplares para revenda em sua livraria ou loja, o telefone é 0800-021-7373.

18 comentários:

André Quirino disse...

Pr. Silas, a Paz do Senhor! Parabéns por mais este comentário sobre a ofensiva de Israel contra o Hamas em Gaza. Sobre o retorno das indulgências no Catolicismo, lá está Vaticano querendo retornar a um erro do passado aparentemente apagado da História... Lamentável. Sim, porque isso envolve outras heresias católicas, como a do Purgatório e a da salvação pelas obras; isso sim que é banalização da salvação! Pelo menos, as indulgências não estão sendo mais vendidas. Sobre a nova edição da Revista Obreiro, parece, mais uma vez, estar uma bênção, com muitos artigos bíblicos e teológicos maravilhosos!

Abraço!

André Gomes Quirino
www.esperancasemlimites.blogspot.com

Silas Daniel disse...

Caro André, a Paz do Senhor!

Obrigado por suas palavras de apreço e motivação. Essa nova edição de "Obreiro" está realmente muito boa.

Sobre as indulgências, foi importante você frisar a ligação direta dessa doutrina católica com o Purgatório. Pegando seu "gancho", aproveito para esclarecer melhor o assunto para algum leitor deste blog que eventualmente não conheça perfeitamente o que sejam as indulgências.

Para o catolicismo, mesmo depois de o pecado ser absolvido no confessionário e a penitência for cumprida, o fiel ainda enfrentará o castigo após a morte no chamado Purgatório, antes que possa adentrar o Paraíso. Aí é que entram as indulgências. Em épocas denominadas especiais, vez por outra, o Vaticano anuncia algumas indulgências para quem cumprir determinadas penitências além daquelas de praxe e, em troca dessas penitências especiais, o fiel terá reduzido ou mesmo apagado instantaneamente o seu castigo no Purgatório. Ou seja, poderá até ir direto ao Paraíso. A diferença das indulgências daquela época de Lutero para as de hoje é apenas que, no século 16, elas eram concedidas em troca de dinheiro. Mas, de uma forma ou de outra, é barganha, é salvação pelas obras, é um vilipêndio à graça divina.

Abraço!

André Quirino disse...

Pastor, parabéns pela mais recente edição do programa "Resposta Fiel", a qual foi bastante esclarecedora, falando sobre o Unicismo. Costumo eu, para explicar a doutrinda da Trindade, compará-la conosco que somos corpo, alma e espírito. Cada um destes elementos é ele mesmo, isto é, o espírito não é alma nem a alma é o espírito, e assim por diante. Todavia, os três são um só, o ser humano. Assim é a Trindade: um só Deus em três Pessoas distintas, a saber: Pai, Filho e Espírito Santo; cada um é um e os três são Um só.

Que Deus continue te capacitando. Abraço!

André Gomes Quirino
www.esperancasemlimites.blogspot.com

Marcello de Oliveira disse...

Shalom!

1. Preclaro Pr Silas Daniel, parabéns pelo excelente artigo. Que o El Deót [ Deus de toda sabedoria] continue a lhe inspirar para escrever textos como este.

2. Na verdade, "poucos" sabem que a palavra "Hamás" aparece no original hebraico em Gn 6.13: " e a terra estava cheio de "Hamás" [ violência]. Portanto, o nome desta facção expressa em seu nome o que desejam: ódio, violência, ações malignas - esta é a idéia do original.

um grande abraço, Pr Marcello de Oliveira

P.s veja a estréia do meu singelo blog:

http://www.davarelohim.blogspot.com

Silas Daniel disse...

Caro André,

O assunto Unicismo não é muito falado hoje em dia, mas é muito importante. Sobre ilustrações para a Trindade, há uma infinidade delas registradas na História, algumas muito interessantes, como a exposta pelo irmão e as do trevo e das pontas do triângulo. Todas elas servem como analogia, mas nenhuma é absolutamente perfeita (longe disso!), posto que são apenas tentativas de explicar uma realidade sobrenatural, divina, tal como a onisciência, a onipresença e a onipotência são realidades divinas igualmente não perfeitamente penetráveis para a mente humana. Aliás, o homem não consegue entender perfeitamente a realidade subatômica, quanto mais a realidade divina!

Abraço!

André Quirino disse...

Pr. Silas, queria evitar um novo comentário, sendo já o terceiro somente nesta postagem, mas não consegui.

Primeiramente para me redimir porque, realmente, esqueci de observar e enfatizar esse importante ponto: Nenhuma ilustração consegue trazer a realidade da Trindade em sua verdadeira dimensão.

E, em segundo lugar, porque fiquei muito feliz ao ouvir comentários e ter a confirmação sexta-feira, quando tive a honra de fazer perguntas à vossa esposa no programa "Estação Louvor" da Rádio Web CPAD, que o senhor estará pregando, e a irmã Lília Paz cantando, numa congregação de minha igreja, aqui em Linhares. Se Jesus não voltar antes, com certeza, estarei lá, pra glória dEle.

Abraço!

Silas Daniel disse...

Caro Marcello,

Obrigado pelas palavras de apreço e motivação. Sobre a curiosidade levantada pelo irmão, a pergunta inevitável é: Seria uma mera coincidência o nome dessa violenta facção de árabes palestinos remeter a esses conceitos?

Seja bem-vindo à blogosfera cristã! Breve farei uma visita ao blog do irmão.

Abraço!

Silas Daniel disse...

Caro André,

Fique à vontade para postar quantos comentários quiser. E será um prazer pregar em uma congregação de sua igreja em Linhares. Ver-nos-emos lá, se Deus permitir!

Abraço!

Gutierres Siqueira disse...

Pr. Silas Daniel, a paz!

Ainda discutindo o “messianismo” em torno de Obama:
Nessa manhã me deparo com uma matéria do “The New York Times” (Veja: http://noticias.uol.com.br/midiaglobal/nytimes/2009/02/18/ult574u9164.jhtm), intitulada: “Políticas de Obama contra o terrorismo pouco mudaram em relação à era Bush”. Pelo que tenho visto o “oba-oba” em torno de OBAma está com os dias contados. As pessoas estão acordando de sua utopia messiânica!
Nas últimas semanas estamos vendo muitas discussões sobre medidas protecionistas do pacote econômico de Obama. Todos sabem que o Partido Democrata sempre foi protecionista e procurou garantir os interessem de alguns grupos comercias estadunidenses. Mas o engraçado é que os obanistas brasileiros diziam durante a campanha que Obama não seria protecionista... Pode? Talvez os “analistas” brasileiros estavam analisando sobre os seus sonhos e não baseados na experiência histórica.
O amaldiçoado Partido Republicano seria bem mais interessante para a nossa economia. Nessas horas não vemos pragmatismo nos “analistas”, mas pura ideologia e utopia.

PS: Parabéns pelo Programa Resposta Fiel, onde pude ouvir e gostei da explanação. Sugiro um programa que discuta “teologia da libertação” e “neopentecostalismo”.

Abraços!

Silas Daniel disse...

Caro Gutierres, a Paz!

Era inevitavel. Quem não se impressiona com retórica e pirotecnia já sabia que ia dar nisso. Acabado o surrealismo de discurso de campanha, esvaindo-se a fumaça da utopia, cai-se inexoravelmente no mundo real, onde as coisas não se resolvem com palavras mágicas e se mostram mais duras do que o que se tenta mentalizar em relação a elas. Porém, pode ter certeza que, mesmo assim, apesar do choque de realismo que fará com que parte da imprensa encerre sua lua-de-mel com "O Escolhido", alguns ainda tentarão ser condescendentes com Obama, tentarão fazer de tudo para manter minimamente lustrada a imagem do seu "Messias", tudo por causa do que ele representa ideologicamente. Só por isso. E alguns chegarão ao ponto, pode cre, de descaradamente ignorar que algumas medidas que ele tomará são, na prática, o mesmo que Bush fez antes - porque, para os militantes liberais, a verdade não é verdade por si mesma; a verdade é verdade dependendo de quem a diz.

Amplexo!

Silas Daniel disse...

Caros,

Esta semana ainda daremos início a uma nova série de artigos. O assunto, que considero de muita importância em nossos dias, devido ao tamanho do texto, provavelmente deverá ser dividido em duas postagens. Só para despertar a curiosidade, posso dizer, de forma genérica, que será algo atinente ao perigo do zelo sem entendimento.

Em tempo: não esqueci da última série de artigos que encetei neste blog, que versa sobre a prática entre alguns evangélicos de tomar como seus referenciais teológicos sadios nomes do catolicismo romano. Faltou só um artigo para concluir a série. Se Deus permitir, pagarei minha dívida ainda neste trimestre.

Abraço!

Anônimo disse...

A paz do Senhor irmão Silas D.

A mudança de comportamento dos católicos, num verdadeiro plágio(ou pelo menos uma tentativa)do q nós evangélcos fazemos como evangelizar, andar com a Bíblia, fazer pedidos de oração, etc. até mesmo o "jeito" de falar discursos religiosos de católicos na TV, antes me lembro q eram mensagens carregadas de pura idolatria, Maria pra cá, nossa senhora de num sei das quantas pra lá,.... Hoje, se houve muito de Fé em Jesus Cristo, arrependimento de pecados, etc. Resumindo: Tudo isso conduz crentes ingênuos a serem bons amigos e iludirem-se com Roma. Porém qaundo analisados direitinho, a fraude se revela!
POr isso mais uma vez parabéns, por expor mais uma grande verdade sobre o Catolicismo Romano.

O Júnior de sempre :-)

Ana Paula disse...

Pr. Silas,

indiquei seu blog ao prêmio "Olha que Blog Maneiro".
Melhores informações: http://anapaulalopespinheiro.blogspot.com/2009/02/meu-blog-foi-presenteado.html

A Paz!

Ana Paula

APOLOGETA disse...

Pastor, sou eu Eduardo, só que agora com como blogger! Gostaria de saber sobre a revista Resposta Fiel, pois no ano passado eu liguei para a CPAD e me disseram que iriam lançar uma outra revista até o meio do ano passado e até hoje nada. Sito falta de um periódico sobre apologética que é o tema que tem sido mais relegado pela igrejas hoje. Apenas igrejas como Assembléia de Deus ainda mantém o padrão doutrinário-bíblico e mostram sua coragem em publicar livros nessa área. Que Deus continue o usando dessa maneira gloriosa e o abençoe poderosamente como está esboçado em Fp 4:19.
Obs: Bem pastor, eu pedi ao senhor os e-mails dos pastores Esequias Soares, Abraão de Almeida e Paulo César Lima e se puder me conceder o e-mail também do pastor Raimundo de Oliveira agradeço.Estou aguardando, certo?

Silas Daniel disse...

Caro Junior,

É isso aí. O Movimento Carismático confunde cristãos com menos solidez bíblica doutrinária. Uma coisa é nos unirmos com grupos católicos na luta por valores que estão sendo atacados sistematicamente pela onda liberalizante pós-moderna, outra coisa é condescendermos com doutrinas católicas que chocam-se frontalmente com doutrinas fundamentais do cristianismo bíblico. É preciso separar bem essas coisas.

Abraço!

Silas Daniel disse...

Ana, a Paz!

Obrigado pela indicação. Que bom saber que este blog tem sido bênção para sua vida!

Amplexo!

Silas Daniel disse...

Caro Eduardo, a Paz do Senhor! E bem-vindo à blogosfera!

Obrigado pelas palavras de apreço e motivação. Sobre a revista a substituir "Resposta Fiel", o projeto existe, mas ainda não há uma previsão de quando começará a entrar em concreção, até porque há outros projetos à frente e já em andamento. Por enquanto, na área de apologética, além dos livros que a CPAD tem lançado todo ano enriquecendo de subsídios os interessados, temos a seção "Aplogética Contemporânea" do jornal "Mensageiro da Paz" e o programa "Resposta Fiel", que vai ao ar todas as terças (22h), quintas (17h) e domingos (12h) pela Rádio Web CPAD (www.cpad.com.br/radioweb), e que tenho a honra e o prazer de apresentar.

Acerca dos contatos solicitados, favor aguardar retorno por e-mail.

Abraço!

Silas Daniel disse...

Caros,

Como já havia anunciado, pretendia publicar o novo artigo deste blog na semana que terminou, mas não foi possível, devido a compromissos de trabalho e à maratona de ministrações dos últimos cinco dias, com viagens para o interior do Rio Grande do Sul, Brasília e Rio. Hoje, se Deus permitir, publicarei o novo artigo.

Abraço!