quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Sobre articulistas seculares anti-esquerda ou conservadores

De vez em quando, alguns leitores perguntam-me qual a minha impressão sobre célebres articulistas anti-esquerda e/ou conservadores não-evangélicos dos EUA e do Brasil, sobre o que sei e penso de seus posicionamentos, se tenho algum senão em relação a algum pensamento deles etc. Como não são poucos os que me perguntam isso, e para poupar-me de repetir muitas vezes a mesma resposta a cada um dos que me abordam, apresento aqui uma única e final exposição sobre o assunto.
Antes de tudo, é importante frisar que, como cristãos, nossa missão vai além das preocupações com as questões políticas e sociais de nosso tempo. Envolve esses assuntos, mas não apenas eles. Agora, por envolver-lhes também, a intersecção entre a nossa luta pelos valores na sociedade e a luta de outros segmentos em favor de valores que prezamos nos leva naturalmente à empatia em relação à boa parte da produção intelectual de nomes desses segmentos, independente de serem estes evangélicos ou não. Não é uma sintonia total, mas apenas em relação a certos pontos. Em alguns casos, a sintonia é maior; em outros, menor.
Exemplifico e, inspirado nas perguntas que me chegam, citarei agora alguns nomes bem conhecidos. Gosto, por exemplo, dos livros e artigos do professor, jornalista e filósofo católico conservador Olavo de Carvalho. Aliás, considero que muitos de seus textos estão entre os mais lúcidos já escritos em nossos dias sobre a atual conjuntura política, filosófica, social e econômica que vivemos no Brasil, na América Latina e no mundo. Porém, e obviamente, isso não significa dizer que me alinhe a todos os seus posicionamentos. E tais diferenças nada impedem que reconheça o brilhantismo e o acerto em suas colocações.
Da mesma forma, gosto de muitos textos do jornalista Reinaldo Azevedo, mas daí a pensar que concordo com todos os seus posicionamentos é bem diferente. Muito ao contrário. Ele é evolucionista teísta, eu sou criacionista; ele apóia a adoção de crianças por homossexuais, eu não apoio; ele é a favor dos abortos por estupro e terapêutico, e eu, não; ele é condescendente com o projeto de legalização da união civil homossexual, enquanto eu, não. Azevedo também foi inicialmente a favor da liberação das pesquisas com células-tronco embrionárias, mas, felizmente, mudou de posição depois. Poderia citar outros exemplos mais modestos de divergências, mas esses bastam. Entretanto, tais divergências (algumas profundas) não impedem que admire seus textos sobre política, imprensa, democracia, liberalismo econômico, contra a liberalização do aborto, contra a descriminalização das drogas, e a favor de campanhas pró-abstinência sexual até o casamento e pró-incentivo à fidelidade conjugal.
Gosto até de muitos textos do jornalista e escritor Diogo Mainardi, apesar de sua acidez e queda pelo liberalismo social. Mesmo admirando alguns de seus textos, fato é que ele é ateu, eu não; ele, conquanto pessoalmente contra o aborto, defende o “direito” de as mulheres decidirem abortar ou não, enquanto sou contra o aborto em todos os casos (eu era, até pouco tempo, seguindo a tradição histórica evangélica, condescendente apenas com o aborto terapêutico, mas, como já disse aqui, fui convencido, depois dos debates sobre o caso do aborto na menina de 9 anos em Recife, que uma situação em que a vida da mãe esteja em sério risco é, devido aos recentes avanços científicos, quase inexistente). Enfim, há divergências. E não são poucas. Mas, o que gosto nos textos de Mainardi são suas apurações jornalísticas e suas colocações no que diz respeito à política, à imprensa, às esquerdas e ao liberalismo econômico.
Mais um exemplo: gosto dos textos do poeta e jornalista judeu Nelson Ascher, mas daí a pensar que alinho-me com tudo o que diz é igualmente um erro. Minhas concordâncias são, sobretudo, em relação às suas colocações sobre política e esquerdismo. Além de muita coisa na área de cultura.
Gosto de textos do sociólogo e escritor Demétrio Magnoli, mas daí a concordar com tudo o que ele escreve é bem diferente. Aliás, o professor Magnoli, que escreve geralmente textos muito bons, com ricas informações e lógica apurada, já me surpreendeu algumas vezes usando argumentos pífios para defender posicionamentos dos quais discordo profundamente.
Aproveitando: Magnoli e Ascher não são de direita ou conservadores, como muitos pensam, mas, sim, o que pode ser classificado, no espectro político, de centro. Ascher é declaradamente social-democrata. Reinaldo Azevedo, por sua vez, já disse estar mais alinhado ideologicamente ao antigo PFL (hoje DEM) do que ao PSDB, apesar de ser acusado constantemente de ser “tucano”. Ele é um anti-esquerda, mas não plenamente conservador. E Mainardi é defensor do liberalismo econômico (o que é bom), embora seja adepto do liberalismo social (o que é mau). Conservador mesmo, no sentido clássico, desses mencionados, só mesmo o Olavo de Carvalho.
Enfim, ao citar em alguma postagem minha Ascher, Magnoli, Mainardi, Azevedo ou Olavo de Carvalho (ou Ali Kamel [que, como Ascher, Magnoli e Mainardi, não é um conservador, mas tem abordagens interessantes], ou ainda os conservadores Ann Coulter e Thomas Sowell, dentre outros), obviamente não estou dizendo que concordo com cada um de seus posicionamentos, mas, sim, que concordo com aqueles argumentos que menciono.
Com alguns desses nomes concordo muito mais do que com outros, mas, obviamente, com nenhum deles concordo em relação a tudo.
Como disse Paulo, "examinai tudo; retende o bem". Aplicando esse método em nossas leituras cotidianas, percebemos que, da produção de alguns articulistas seculares, não sobra praticamente nada. De outros, sobra alguma coisa. E de outros ainda, há muito a se aproveitar. Cabe a nós sermos bons examinadores.

5 comentários:

Gutierres Siqueira disse...

Pastor Silas Daniel, a paz!

Você citou realmente grandes nomes. Confesso que tinha preconceito com Olavo de Carvalho. Antes até mesmo de ler um texto dele, já criava uma resistência, pois acreditada que ele caminhava por um extremismo. Depois, passei a ler Carvalho com mais cuidado, e os meus preconceitos caíram. Apesar da imagem, Olavo é um homem equilibrado e sensato. Mas de todos os citados, o que mais admiro é o jornalista Reinado Azevedo, pela rara inteligência e percepção do autoritarismo camuflado nas atitudes dos governos “progressistas”.
Além deles, indico também o jornalista João Pereira Coutinho, colunista do jornal “Folha de S. Paulo”. Coutinho, um liberal-conservador, escreve crônicas fantásticas. Aliás, nada melhor do que juntar as idéias liberais (liberdade de mercado, liberdade religiosa, liberdade de expressão, Estado Democrático de Direito) com idéias conservadoras (pessimismo antropológico, defesa de valores universais, sociedade funcional). É o caminho para o equilíbrio.
Abraços!

Silas Daniel disse...

Caro Gutierres, a Paz!

Bem lembrado o nome do jornalista português João Pereira Coutinho. Aliás, é importante frisar que os nomes que menciono nesta postagem são apenas aqueles sobre os quais já fui perguntado.

No caso do Olavo de Carvalho, para quem se depara com seus artigos pela primeira vez, muitas de suas afirmações podem provocar realmente estranhamento, especialmente para quem inicialmente ainda está com a mente impregnada pela ideologia esquerdista e liberal que prevalece na mídia e nas universidades há anos. Nesses casos, a experiência de ler os textos do referido filósofo pode ser como um choque térmico, como sair abruptamente do forte frio para o extremo calor ou vice-versa. Você há de convir que apresentações diretas da verdade numa sociedade entorpecida por apresentações ideologicamente editadas e distorcidas de acontecimentos e correntes são recebidas inicialmente com estranhamento. É a análise sincera dos argumentos e a checagem dos fatos que nos levam a reconhecermos verdade ou não nas afirmações. Outro fator que pode afastar as pessoas inicialmente dos textos do referido filósofo é a linguagem ríspida utilizada eventualmente por ele, quase que somente em seus talkshows, porém há de se separar estilo de conteúdo. Não gosto da linguagem que muitas vezes usa em seus talkshows, mesmo que tenham algum propósito lógico, mas daí a ignorar a veracidade das afirmações é outra coisa bem diferente.

Para entender melhor o pensamento de Carvalho, indico algumas obras dele que já li: o magistral "O Jardim das Aflições", "O Imbecil Coletivo 1" e "O Imbecil Coletivo 2", "A Nova Era e a Revolução Cultural: Fritjof Capra e Antonio Gramsci" e "Como vencer um debate sem ter razão", que na verdade é uma obra de Schopenhauer comentada, com brilhantismo, por Carvalho.

Abraço!

Pb Sidney disse...

Eu só sei de uma verdade; DEUS, o Todo Poderoso, está e sempre estará no total controle. E que há de vir, virá!

Abraços fraternais,
PB Sidney Moreira
www.adcdourado.blogspot.com

Rocha disse...

Não resta dúvida de que toda honra e toda glória pertence a Deus.Mas eu não poderia deixar de fazer valer o que diz a Palavra de Deus que devemos dar honra a quem de direito. Portanto, caro pastor Silas Daniel, fiquei deverasmente alegre ao ler o seu livro:"As seduções das novas teologias". E lhe dizer que se o livro encerrasse nas palavras de aprensentação do pastor Ciro Zibordi, já me dava por satisfeito. Que Deus na sua infinita misericórdia continue capacitando o senhor nesse ministério da Palavra. Porque, realmente, o senhor como também os renomados pastores que já tive a oportunidade de ler seus livros tais como:Pr. Ezequias Soares, Pr. Ciro Zibordi, Pr. Geremias do Couto, Pr. Claudionor de Andrade e Pr. Marcos Tuler e os demais primam pela ortodoxia doutrinária. Aquela ilustração da "rã na chaleira" foi de mais para explicar o momento que o cristianismo no Ocidente está vivendo. E o capítuilo 02 com o tema: A Igreja emergente e seus pressupostos enganosos" foi de uma maestria tão completa pois abordou vários assuntos como: sexo, música, homossexualidade, denominacionalismo,evolucionismo,cosmovisão e etc. Já tive a oportunidade de ler pelo menos dois livros de sua autoria: "Reflexões sobre a alma e o tempo", "Como vencer a frustração espiritual". Só ainda não li o livro de "Habacuque" porque não tem aqui na CPAD de Belém-Pa.Aliás, só foi possivel eu comprar esse livro seu, em virtude de ter visto a divulgação dele no mensageiro da paz.Caro pastor, só resta agradecer a Deus e a sua pessoa por ter nos presenteado com essa obra de tamanha relevância para a nossa vida espiritual. Gostaria de saber se o senhor leu esse comentário quer fiz em seu blog, e aproveitar para lhe convidar a ver o meu blog:http://rocha-discipulandovidas.blogspot.com . Eu já tive a honra de ter sido publicado o meu trabalho que realizo aqui em Belém que é o Curso Básico de Discipulado, foi publicado na revista ensinador cristão Ano 06 nº 24 página 46 com o tema Discipulado em ação. Sou um leitor assiduo das publicações da CPAD. Hoje, na igreja que eu me congrego, sou o zelador e também professor de EBD, aos sábados para os adolescentes e aos domingos para os jovens e adultos. Eu estou desempregado, eu vendo minhas apostilas que dou estudo nas igrejas e com o dinheiro eu compro os livros inclusive os seus.Muito obrigado mesmo, por esse presente que o senhor nos deu por meio da leitura desse livro. Espero resposta de sua parte.

ademis neto disse...

pastor silas daniel a paz do senhor jesus cristo,estou muito alegre de estar entrando em contato com vc.pastor conforme está escrito em 1crônicas capítulo 2;e versículo 13,14e15 que jessé teve sete filhos,mas em 1samuel capítulo 16 e versículo 10e11 diz que ele teve oito,afinal quantos filhos homen jessé teve?