sexta-feira, 27 de março de 2009

A verdade sobre o aquecimento global

Caros,
Quem acompanha-me no blog há algum tempo ou leu meu livro A Sedução das Novas Teologias (CPAD) sabe que não sou simpático à Teoria do Aquecimento Global Irreversível e Antropogênico. Creio, sim, como já escrevi, que o ser humano tem destruído a Terra em vários sentidos, e inclusive em relação ao meio ambiente (na área de poluição, afetando a saúde das pessoas, animais e plantas; na difusão de doenças por falta de saneamento e de cuidados ambientais; nos testes com bombas; no vazamento de óleo e de gases tóxicos letais; na destruição de ecossistemas etc); e que o cristão deve zelar pela criação de Deus e cuidar responsavelmente dos recursos naturais que Deus colocou à sua disposição neste planeta; mas, sempre tive sérias dúvidas quanto ao ser humano estar provocando este atual momento de aquecimento da Terra e quanto à tese de que este aquecimento global é irreversível. Isso se deve não à minha intuição, mas ao fato de já ter lido vários artigos e matérias a respeito com especialistas argumentando com precisão contra a falácia dos “ecologistas terroristas”. Por isso, sempre resisti a essa tese, apesar de respeitar amigos sinceros, inclusive servos de Deus, que a esposam.
Aliás, nos Estados Unidos, a maioria dos evangélicos e dos chamados conservadores já é hoje condescendente com essa tese do Aquecimento Global Irreversível e Antropogênico. Uma boa parte ainda é contra, mas a maioria já não o é, e isso porque muitos irmãos se sentiram fortemente tentados (e cederam a essa tentação) de ver nessas previsões climáticas catastróficas algo de bíblico.
Trocando em miúdos: Assim como, no período da Guerra Fria, muitos servos de Deus tendiam a associar muitas catástrofes previstas nas profecias bíblicas sobre o fim dos tempos às previsões muito comuns à época sobre o que aconteceria com a Terra num eventual conflito nuclear, agora passaram a associar os sinais que antecedem à Segunda Vinda de Jesus a essas previsões assustadoras da maioria dos ambientalistas de hoje, pois muitos desses sinais tratam-se de catástrofes na natureza (Mt 24.29,30; Mc 13.24-27; Lc 21.11,25-28) que se parecem muito com as catástrofes “profetizadas” por esses ambientalistas, assim como os efeitos de um conflito nuclear também têm suas semelhanças com a descriçao que muitas dessas profecias fazem do cenário do fim dos tempos.
Porém, o problema é que esquecemos que (1) a Bíblia em nenhum momento afirma que todas essas catástrofes são condicionadas pelo homem, como asseveram os ambientalistas; e (2) alguns vaticínios do Mestre, bem como pragas do Apocalipse (6.1-17; e 8 e 9), referem-se a algumas coisas que são claramente sobrenaturais e não naturais, inclusive dizendo que Deus enviará anjos para efetuar essas alterações absolutamente aterradoras e imprevisíveis, inesperadas, posto que sobrenaturais. O texto bíblico fala, por exemplo, de coisas que acontecerão com o Sol e a Lua e de “poderes do céu” sendo “abalados”, e de "estrelas" caindo, que são acontecimentos que vão além de um mero superaquecimento global irreversível e que não se encaixam em nenhuma previsão ambiental terrificante.
Como alguns irmãos pedem-me informações a respeito dos contra-argumentos à Teoria do Aquecimento Global Irreversível e Antropogênico, uma vez que essas informações são, por razões ideológicas, escondidas pela maioria esmagadora da mídia (algo absolutamente absurdo), indico aos interessados pelo assunto um documentário importantíssimo, imperdível, de Martin Durkin, exibido em 8 de março de 2007 no Channel 4, da Inglaterra, e intitulado A Grande Farsa do Aquecimento Global. Esse documentário foi feito logo após a triste notícia - para a maioria da comunidade científica da áera de climatologia - de que o então presidente dos EUA, George Walker Bush, preocupado com sua popularidade mundial desgastada após a Guerra no Iraque, acabou, contra sua convicção, cedendo à pressão midiática e de ONGs e aderindo à popular causa dos ambientalistas. Esse documentário é um último apelo desses premiados cientistas europeus, americanos, asiáticos e judeus para que a farsa do aquecimento global antropogênico e irreversível acabe e que, de forma didática, destrói, sem deixar pedra sobre pedra, todas as lendas pregadas como verdade em panfletos populares, inclusive no grotescamente mentiroso Uma Verdade Inconveniente, do pop star Al Gore.
Durkin reúne os depoimentos dos mais renomados cientistas do mundo na área, que denunciam que a Teoria do Aquecimento Global Irreversível e Antropogênico não tem base científica alguma e que a elevação da temperatura decorre de um ciclo natural. O documentário conta ainda como surgiu a Tese do Aquecimento Global Antropogênico e Irreversível e porque ela se mantém e se popularizou em nossos dias, mesmo sem ter nenhum sentido à luz de todas as evidências. Depoimentos de Carl Wunsch, Eigil Friis-Christensen, Frederick Singer, Ian Clark, James Shikwati, John Christy, Lord Lawson de Blaby, Nigel Calder, Nir Shaviv, Patrick Michaels, Patrick Moore (co-fundador do Greenpeace), Paul Reiter, Philip Stott, Piers Corbvn, Richard Lindzen, Roy Spencer, Syun-Ichi Akasofu e Tim Ball.
O documentário de uma hora e 16 minutos vem com legendas em português. Vale muito a pena assistir. Acesse-o aqui.
(Preferencialmente, comentar só depois de assistir ao vídeo)

21 comentários:

André Quirino disse...

Pr. Silas, a Paz do Senhor!

Interessante, essa postagem. Acredito que o que mais intriga aqueles que debatem esse assunto seja a abertura na Camada de Ozônio. A qual só pode ter sido ocasionada pela poluição, que, por sua vez, é gerada pelo homem. E tal abertura desprotege uma parte da Terra dos raios solares. Se completamente certa, esta teoria poderia afirmar que o Aquecimento Global é irreversível e antropogênico, certo? De qualquer forma, realmente, a exposição de contra-argumentos sobre esse assunto é mui rara.

Na minha opinião, apesar de a Bíblia, realmente, em nenhum momento afirmar que as catástrofes da natureza que antecedem a volta de Jesus serem condicionadas pelo homem, ela afirma que a fé se esfriaria e, jutamente com outras referências, acredito que isto inclua o relaxamento quanto às criações divinas. Portanto, o homem não cuidar bem daquilo que Deus fez seria um sinal do fim dos tempos.

Bem, como o senhor já deve ter percebido não sou contra a Teoria do Aquecimento Global Irreversível e Antropogênico e nem contra a idéia de que tal fenômeno possa ser um sinal da volta do Senhor Jesus. Mas também respeito idéias opostas, inclusive a exposta pelo senhor e estou aberto a mais aprofundadas análises, podendo mudar de opinião. Até porque, após assistir ao vídeo que o senhor recomendou (ainda não o fiz devido a alguns problemas em minha conexão à Internet), não posso me opor a especialistas no assunto no que tange ao fato de o Aquecimento Global ser realmente ocasionado pelo homem e ser irreversível.

Parabéns por mais essa postagem. Que Deus continue te abençoando e capacitando para Sua glória!

Abraço!

Silas Daniel disse...

Caro André, a Paz do Senhor!

Obrigado pelas palavras de apreço. Sobre sua colocação acerca do CO2 e a camada de ozônio, sugiro que assista ao vídeo no link indicado.

Abraço!

Adriano Wink Fernandes disse...

Paz!
Não vou tecer comentários sobre o assunto, pois meu cinhecimentos são parcos, porém gostaria de indicação de literatura (em português) de autores sérios, que venham proporcionar conhecimentos aprofundados sobre o assunto.

Grande abraço!
Adriano

Silas Daniel disse...

Caro Adriano, a Paz!

Estou em viagem (Ubatuba - SP) pregando em um evento, mas logo que chegar ao Rio postarei aqui uma lista de títulos e artigos sobre o assunto. Quero apenas lembrá-lo que o documentário da tevê inglesa (com legendas em português) que pode ser assistido gratuitamente no link que disponibilizo no último parágrafo do texto, já traz o depoimento e as explicações dos mais premiados e renomados especialistas da área no mundo contestando a Tese do Aquecimento Global Antropogênico e Irreversível. Detalhe: eles são extremamente didáticos em suas explicações. É uma aula de uma hora e 16 minutos. Só o que está ali já é suficiente. Mesmo assim, ainda te envio a lista.

Grande abraço!

Joaz disse...

Parabéns pelo post, Pr. Silas. Que o Senhor abra os nosso olhos espirituais cada vez mais.

Já venho estudando isso faz um ano mais ou menos, mas ainda não tinha tido acesso a algo tão sério e respeitável vindo do próprio meio científico. Dou ênfase mais na área espiritual.

Postarei no meu blog este vídeo quando tiver tempo (colocando os devidos créditos) e se quiser ajuda na sua pesquisa, conte comigo.

Desde já, recomendo o blog científico português Mitos Climáticos (http://mitos-climaticos.blogspot.com/).

Um abraço,
Paz e Graça do Senhor.

Silas Daniel disse...

Caro Joaz, Paz e Graça no Senhor!

Obrigado pelas palavras de apreço e motivação. Como você pôde constatar, vale a pena divulgar esse documentário, devido à sua importância, conteúdo e didatismo. Não é à toa que ele recebeu duas vezes o prêmio de Melhor Documentário no Mundo em 2007, o primeiro pelo Isabella Film Festival e o segundo pelo British Television Industry's 2008 Broadcast Awards, a maior premiação da tevê inglesa. Divulgue-o à vontade. E obrigado pela dica do blog científico lusitano. Se tiver mais dicas, pode postá-las aqui.

Abraço!

Silas Daniel disse...

Caro Adriano,

Seguem as indicações solicitadas de artigos e matérias sobre o assunto, e de um livro que considero bastante elucidativo.

O primeiro artigo que considero importantíssimo é do Dr. William Gray, do conceituado Departamento de Ciência Atmosférica da Universidade do Colorado e publicado no site do Senado dos EUA. Gray é a maior autoridade no mundo em ciclones tropicais e ele afirma e comprova cientificamente que o aquecimento global antropogênico e irreversível é “uma farsa” e “uma tremenda bobagem”. Leia seu depoimento ao Congresso dos EUA sobre esse assunto, e transformado em artigo, aqui: http://epw.senate.gov/hearing_statements.cfm?id=246768

Indico também o artigo de Richard Litzen, renomado cientista e o mais destacado professor de Ciência Atmosférica do MIT, desmascarando a farsa do AGAI. O artigo foi publicado no jornal "Wall Street Journal" em 2006. O endereço é este: http://www.opinionjournal.com/extra/?id=110008220

Em português, você pode ler o artigo do meteorologista gaúcho Eugenio Hackbart, publicado no site do MetSul, feito por especialistas que tratam da meteorologia no Sul do Brasil: http://www.metsul.com/secoes/visualiza.php?cod_subsecao=33&cod_texto=514

Uma opção interessante também, evocada pelo Joaz, é o blog lusitano mitos-climaticos.blogspot.com, que traz constantemente, em português, informações importantíssimas sobre esse assunto omitidas pela maioria esmagadora da mídia.

Lembrando ainda que o propalado (midiaticamente) IPCC (Intergovernmental Panel on Climate Change), que em 2001 divulgou aquele relatório que chancelou e popularizou a Tese do Aquecimento Global Antropogênico e Irreversível (AGAI), é um órgão formado por 2,5 mil pessoas que não necessariamente são cientistas. Aliás, a maioria deles não é e muitos destes são apenas… funcionários da ONU (sic), mas que, mesmo assim, aparecem na lista dos “2,5 mil especialistas”. O IPCC nada mais é do que um órgão político, sujeito a pressões ideológicas. E mais: logo depois de divulgado o relatório do IPCC em 2001, mais de 17 mil cientistas (todos cientistas de profissão) subscreveram um longo texto escrito por um deles condenando o relatório do IPCC. E centenas desses 17 mil eram alguns dos poucos cientistas de verdade que pertenciam aos “2,5 mil especialistas do IPCC” e que denunciaram que o texto final do relatório foi feito contra toda razão e evidências, e que mesmo depois de eles terem abandonado o IPCC em protesto, seus nomes ainda continuavam na tal lista do IPCC para dar falsa legitimidade ao relatório, enganando os incautos.

Agora, quanto a livros, infelizmente, em português, não temos muitas alternativas. No Brasil, só publicaram, que eu constatei, “O Ambientalista Cético” (você pode encontrá-lo em http://www.criticaliteraria.com/853521058X), que só foi publicado por aqui por ser uma crítica moderada sobre o assunto. Agora, em Portugal, há uma obra excelente, imperdível, intitulada “A Ficção Científica de Al Gore”, de Marlo Lewis Jr (para saber sobre ele, o endereço é: http://cei.org/people/marlo-lewis-jr). Obra muito boa mesmo. Você pode encontrar esse livro à venda, por exemplo, aqui: http://www.fnac.pt/pt/Catalog/Detail.aspx?cIndex=0&catalog=livros&categoryN=Livros&category=divulgacaoCientifica&product=9789898020208

Se comprar pela internet, lembro que, como a obra vai cruzar o Atlântico, demorará uns 15 dias para chegar à sua casa.

É isso. Bom proveito!

Adriano Wink Fernandes disse...

Amado Silas, paz!

Sou muitíssimo grato pelas indicações literárias. Com relação ao vídeo eu já assisti, e pretendo, assim que puder, copiá-lo. Poderá ser um tanto trabalhoso, mas acredito valer a pena.

Grande abraço!

Apologeta E.F.O. disse...

Paz do Senhor dos Exércitos Pr. Silas Daniel! É realmente um honra poder conversar com o senhor através da worl wide web! risos! Como vai? Tudo na santa e gloriosa paz do Senhor? Como vai a irmã Lília? Gostaria de saber quando o senhor vai lançar outro livro. Tenho me deliciado no "Reflexões sobre a alma e o tempo". Deus o tem iluminado através do Seu Espírito Santo e tudo isso para glória do Seu Excelso Nome que é sobre todo nome. Gostaria de lhe fazer um pergunta acerca do seu livro "Como vencer a frustração espiritual": Com o "perigo da psicologização da fé" que tem afetado muitos crentes hoje em dia por pastores que dizem que só agora, através da psicologia, conseguiram entender a Bíblia, qual será o futuro da igreja? Que o Senhor Apologista-Mor te guarde e abençoe poderosamente!

Silas Daniel disse...

Caro Adriano,

Que bom saber que pude ser bênção para sua vida.

Mais uma vez, bom proveito, e um grande abraço!

Silas Daniel disse...

Caro Eduardo, a Paz do Senhor!

Obrigado pelas palavras de apreço e motivação. Que bom saber que "Reflexões sobre a alma e o tempo" tem sido bênção para sua vida! Quanto a mim e a Lília, vamos bem, graças a Deus. Sobre o próximo livro, há um projeto, sim. Estou em pleno processo de criação e, se Deus permitir, este ano ainda estarei lançando-o. Quanto ao importante tema "psicologização da fé", que abordei em "Como vencer a frustração espiritual", pretendo escrever ainda, e brevemente, um artigo aqui sobre ele. É só esperar alguns poucos dias. Obrigado pela sugestão!

Abraço e que Deus também continue abençoando-o em tudo!

Gutierres Siqueira disse...

Pr. Silas, a paz!

Só agora assisti ao vídeo indicado. Faz algum tempo que assisti o documentário “Uma Verdade Inconveniente” de Al Gore. Entre os dois vídeos percebi uma grande diferença: No primeiro há abundância de depoimentos proferidos por cientistas, no segundo há o personalismo midiático de um político carismático.
Achei bastante razoável os argumentos. É interessante saber que o CO2 aumenta decorrente do aumento de temperatura, e não o contrário. Também é interessante saber que o sol exerce poderosa influencia nas temperaturas, inclusive com a co-relação das nuvens. Para mim, foi importante relembrar que o planeta esquenta e esfria no decorrer de sua história como um processo natural e não antropogênico.
Pouco divulgado na impressa, mas há um grupo de cientista que acreditam em uma iminente “era do gelo”. Veja aqui: http://oglobo.globo.com/ciencia/salvevoceoplaneta/mat/2008/08/17/cinetistas_alertam_sobre_iminente_era_de_gelo_-547792629.asp


Abraços!

Silas Daniel disse...

Caro Gutierres, a Paz!

Bem lembrado o estudo da Universidade Nacional Autônoma do México (Unam) quanto a uma futura "Era do Gelo". E que bom que o vídeo serviu para aclarar mais as coisas. Esse é o propósito.

Abraço!

Paulo Silvano disse...

Caro Pr. Silas,
Paz do Senhor. Parabéns pela postagem. Interessado pelo tema, assisti o vídeo. Há muito suspeitava que a questão do aquecimento global tinha menos a ver com emissão de CO2, que apenas aumenta o impacto do aquecimento, e que estaria, sobretudo, condicionada ao movimento cíclico da natureza, assim como acontece com as queimadas e outros fenômenos naturais.
Com relação a questão econômica concordo que as atividades referentes a preservação ambiental infelizmente também são objetos da exploração econômica, mas, mesmo não sendo cientista social ou economista, suspeito que seja incorreta a tese defendida no documentário que preservação ambiental produz ou mantém a miséria e pobreza. O que se verifica na verdade é que no modelo econômico consumista adotado mundialmente, de forma concentradora e sem distribuição eqüitativa, se produz muito mais do que o ser humano precisa para viver, com índice de desperdício enorme. Essa prática predadora e perdulária, que exige geração de energia demasiadamente alta, produz degradação ambiental, gera poluição e mantém na pobreza as populações sem acesso ao consumo.
Contudo, se verídica a constatação da não antropogenia na origem do efeito estufa e aquecimento global, há que se fazer separação entre aquecimento global e poluição, pois esta sim, no caso da atmosférica, resultante da emissão de gases poluentes e de inúmeras substâncias radioativas, recalcitrantes e ácidas na atmosfera, certamente é de origem antropogênica e a responsável pela morte de milhares de pessoas ao redor do planeta.
Acredito que, embora haja veracidade em boa parte das constatações e depoimentos do documentário de Martin Durkin, não estamos divinamente autorizados continuar sujando o planeta, diminuindo da qualidade do ar e provocando, entre outras, diversas doenças respiratórias e mortandade. Só na cidade de São Paulo, a poluição gerada apenas pelos veículos automotores agrava doenças e mata indiretamente, em média, quase 20 pessoas por dia e mais de 7.000 por ano.
Portanto, a luta pela causa ambiental, que não está afeta apenas ao efeito estufa, é legítima e carece, apesar de favorecer incômoda exploração econômica, que alguma coisa seja feita para minimizar os impactos decorrentes, inclusive dos considerados fenômenos naturais.

Um abraço,
Paulo Silvano

Silas Daniel disse...

Caro pastor Silvano, a Paz do Senhor!

Sim, como ressalto no primeiro parágrafo deste post, reconhecer a falácia do Aquecimento Global Antropogênico e Irreversível não tem nada a ver com desprezar nossa responsabilidade ecológica. A poluição afeta diretamente a saúde das pessoas e também a dos animais e das plantações (das quais extraímos o que comemos). Devemos atentar também para o perigo da difusão de doenças por falta de saneamento e de cuidados ambientais. Testes com bombas e o vazamento de óleo e de gases tóxicos letais também são um perigo para a saúde. E devemos preservar ecossistemas. Tudo isso é sadio, correto, bíblico. O que é errado é esse terrorismo falacioso, infundado, irracional e absurdo do Aquecimento Global Antropogênico e Irreversível, que inclusive afeta o crescimento econômico dos países pobres.

Ademais, o problema dos países pobres não é a industrialização dos países ricos, mas a falta de industrialização dos países pobres; não é o "excesso de produção" dos países ricos, mas a falta de uma produção pujante dos países pobres; não é o grande mercado e consumo dos países ricos, mas a falta de um mercado pujante e de condições de consumo nos países pobres; não é o liberalismo econômico nos países ricos, mas a falta de pujante liberalismo econômico nos países pobres. É disso que precisam para crescerem, e têm potencial para isso. Os países pobres não precisam de "esmolas bilionárias" dos países ricos, mas de se tirar todos os entraves para desenvolverem suas economias. Feito isso, aí sim emprestar-lhes ou dar-lhes dinheiro surtirá grande efeito, porque poderá ajudá-los em seus empreendimentos de desenvolvimento, que retirarão centenas de milhões da pobreza; mas, se esses entraves continuarem, qualquer ajuda bilionária será mero assistencialismo: o dinheiro se acaba e o problema continua. Os países pobres não precisam de um "Bolsa Família" mundial "ad eternum". Precisam se desenvolverem para não precisarem disso nunca mais. Cheguei a tocar de passagem nesse tema - ao desenvolver um assunto sobre outra falácia muito popular - em postagem publicada neste blog no dia 26 de fevereiro deste ano.

Como deve ter percebido, é só uma questão de colocar as coisas nos seus devidos lugares. Não se deve confundir cuidados com a poluição com tolher a atividade industrial. Que as indústrias devem ter cuidado para não afetar a saúde das pessoas no seu afã natural por crescimento, isso é verdade. Os órgãos de fiscalização ambiental estão aí para isso. Mas, daí a inviabilizar a prática e o crescimento industrial, e com ele o desenvolvimento tecnológico, é outra coisa. Não só é preciso, mas também é claramente possível - uma vez que haja mesmo responsabilidade -, a convivência perfeita entre crescimento industrial e cuidados com a poluição. Não são incompatíveis.

Abraço!

Victor Leonardo Barbosa disse...

Olá pastor Silas, a Paz do Senhor!

Excelente artigo e parabéns pela divulgação do vídeo! Muito bom mesmo.

Esse artigo também servirá como base, pela graça de Deus, em meu TCC, no qual discorro um pouco sobre Meio ambiente e jornalismo.

Silas Daniel disse...

Caro Victor, a Paz do Senhor!

Obrigado pelas palavras de apreço e motivação. Que bom saber que este vídeo chega em boa hora para enriquecer sua TCC.

Forte abraço!

Anônimo disse...

Pr. Silas,

Que prazer é ler mensagens do Senhor! Gosto de "água pura" e não dessas "cisternas rotas" que inundam as livrarias evangélicas.

Agora, quanto ao seu artigo em questão, confesso que foi uma agradável surpresa sua postura. Porque, apesar de ler bastante, e pesquisar,escrever e pregar a Palavra, portanto,não sou alienada, nunca ouvi uma posição "contrária" a esses ecologistas. Inclusive assisti o filme do Sr. Gore, como o senhor mencionou, e vi como ele aterroriza as pessoas.
É claro que, quem conhece as Escritura, sabe que tais fenômenos foram vaticinados pelo Senhor e pelos Apóstolos,todavia, trata-se, realmente, do fenômenos sobrenaturais e não naturais. Acredito e vejo muito lógica em seus argumentos.

Obrigada. Mais uma vez. Em breve, vou levar minha irmã, Celita Polsgrove, na livraria da CPAD, para comprar seus livros. Ela de Houston, amanhã e é uma "devoradora" de livros.
Infelizmente, pela internet eu não consegui. Meu abraços e minha admiração, porque sei estamos pisando "em terra firme" quando o lemos.

Ana

Silas Daniel disse...

Cara irmã Ana, a Paz do Senhor!

Bom saber que este post e o vídeo foram elucidativos para a irmã. E obrigado pelas palavras de apreço e motivação! Ademais, boas compras! Creio que os livros serão bênção para suas vidas como o foram para mim ao escrevê-los, posto que foram produzidos com o intuito de honrar e glorificar o nome do Senhor através da edificação do Seu povo. Portanto, além de boas compras, boa leitura!

Abraço!

LUCAS - CPAD disse...

Assisti os dois vídeos, o sugerido pelo autor do artigo e o documentário de Gore, farei meu breve comentário baseado na natureza democrática deste BLOG.
De fato Gore apresenta o problema do aquecimento global como Antropogênico, mas, a meu ver, não como irreversível, é claro que as soluções propostaS por Gore (assim como a responsabilidade pelo problema), baseiam-se em ações promovidas pelo homem.
Quanto ao vídeo proposto, é interessante que existam pareceres cientificos honestos, que não sirvam a clientelismos, até para driblar a pasmaçeira que tomou conta do mundo.

Silas Daniel disse...

Caro Lucas, a Paz do Senhor!

Permita-me explicar o sentido da nomenclatura técnica usada pelos ambientalistas para definirem a sua tese: a tese do Aquecimento Global Antropogênico e Irreversível (AGAI) recebe a designação de "Irreversível" porque os seus defensores crêem que, se a humanidade não tomar determinadas medidas, esse aquecimento não poderá ser revertido. Já os cientistas denominados de "céticos" afirmam que esse aquecimento não é irreversível, mas periódico, isto é, trata-se de mais um capítulo do ciclo natural e repetitivo da Terra. Ou seja, como os demais aquecimentos anteriores da Terra, será sucedido por um período de esfriamento, que por sua vez será sucedido por outro período de aquecimento, que por sua vez será sucedido por outro período de resfriamento e assim sucessivamente. Em síntese, esse aquecimento é naturalmente reversível, pois faz parte de um ciclo natural.

Abraço!