segunda-feira, 1 de novembro de 2010

"Dislexia" premeditada. Ou: Corrigindo as recentes e propaladas distorções feitas sobre os escritos ortodoxos acerca da dupla natureza de Cristo

Tempos atrás, ao debatermos neste blog os argumentos antibíblicos do chamado Teísmo Aberto, cunhei um termo para designar a atitude reprovável, de boa parte dos proponentes dessa heresia, de usar definições diferentes e estranhas para conceitos bíblicos-doutrinários bem definidos, com o objetivo de confundir crentes desatentos, levando-os a crer que o Open Theism também cria em todos os pontos fundamentais da ortodoxia bíblica a respeito da Doutrina de Deus. O termo que usei à época era “dislexia” premeditada.
Dislexia, sabemos, é a incapacidade de compreensão do que se lê em decorrência de uma lesão no sistema nervoso. É óbvio que, ao falar de dislexia de forma aspeada e seguida da expressão “premeditada”, eu não quero dizer que seguidores do Teísmo Aberto sofrem de alguma lesão no sistema nervoso, mas estou me referindo a uma proposital, calculada e dissimulada tentativa de distorcer o significado óbvio de algumas expressões para fazer com que as pessoas menos atentas pensem que os teístas abertos não dizem o que dizem. Como assim?
Por exemplo: Alguns defensores do TA diziam que criam na onisciência divina, isto é, que Deus conhece o passado, o presente e o futuro, só que com uma única diferença: a definição do que seria esse futuro que Deus conhece. Segundo eles, alguém pode conhecer o futuro como possibilidades ou como realidades. Logo, afirmavam que Deus não conheceria o futuro só como realidades, mas apenas parte desse futuro como realidades e a outra parte, que seria a maioria, como possibilidades. E aí arrematavam: “Eu não estou dizendo que não creio que Deus é onisciente; só estou dizendo que não creio que essa onisciência seja estática. Creio que Deus tem uma ‘onisciência em movimento’, que está sendo construída, e não uma onisciência estática”. E ainda: “Não estou dizendo que Deus não sabe de tudo. Só estou dizendo que todas as realidades do futuro não são conhecidas por Ele; apenas uma parte desse futuro Ele conhece como realidades e a outra parte Ele também conhece, mas apenas como possibilidades”.
Ora, o que esses seguidores do Teísmo Aberto estavam dizendo escamoteadamente é que não crêem mesmo que Deus seja onisciente, porém temiam dizer isso abertamente porque não queriam que seus ouvintes se afastassem de seus ensinos reconhecendo-os imediatamente como heresia. Por isso, em vez de dizerem “Não creio que Deus seja onisciente” optavam por “Creio, de fato, que Deus é onisciente, mas apenas digo que trata-se de uma onisciência em movimento”. Ora, o que significa “onisciência”? O prefixo “oni” significa “tudo”, “todo”, “plenitude”. Logo, quando afirmamos que Deus é onisciente, estamos dizendo que Deus sabe de todas as coisas exaustivamente, seja passado, presente ou futuro; estamos afirmando que todas as coisas do passado, do presente e do futuro já são conhecidas como realidade por Ele desde sempre, como afirmam as Sagradas Escrituras (Is 46.10; Sl 139.1-18; Hb 4.13; Sl 147.5). Portanto, falar de “onisciência em movimento” ou “onisciência em construção” é uma contradição de termos. Se alguém diz que Deus não conhece exaustivamente o futuro, está dizendo que Ele não é onisciente.
Outro caso era o tratamento dado à onipotência de Deus: “Sabe, não é que eu não creio que Deus seja onipotente; eu só creio que Ele não é plenamente onipotente”. Ora, se Deus não é “plenamente onipotente”, logo estou dizendo que Ele não é onipotente, porque onipotente significa exatamente ter todo o poder, ser todo-poderoso, como Deus é (Gn 17.1; Sl 62.11).
Destarte, toda vez que um seguidor do Teísmo Aberto usava os termos onisciência e onipotência diferentemente do seu significado, como se não entendesse o significado desses termos (e como se acreditasse que seus leitores não perceberiam a contradição em que incorreriam ao aceitá-los com significado distorcido), estava praticando o que chamo de “dislexia” premeditada. Mas, se quiser, você pode chamar isso também de engodo ou distorção.
Pois bem, lamentavelmente, nos últimos dias, estamos vendo na blogosfera (e exatamente de quem menos esperávamos, o que aumenta a tristeza), novamente o uso da “dislexia” premeditada, só que agora em relação a outra Doutrina Bíblica basilar, crucial e fundamental – a Doutrina da Encarnação de Cristo –, e esse expediente tem levado muitos crentes incautos a ficarem confusos na blogosfera.
Os exemplos de “dislexia” premeditada em relação a esse assunto se multiplicam a cada dia. Por quê? Porque em vez de a pessoa que começou tudo isso admitir humildemente o seu erro inicial, não só prosseguiu nele como ainda tenta, a todo custo (levado pela vaidade humana a que todos estamos sujeitos), remendar e justificar o não-consertável e o injustificável. Em vez de dizer “Gente, desculpe, eu confundi as coisas. Havia dito isso, mas, na verdade, não é assim; ao contrário, é desta outra forma, como a cristandade sempre defendeu à luz de textos claros das Escrituras”, a pessoa distorce aqui, distorce acolá, faz malabarismos, verdadeiras ginásticas, para “dar nó em pingo d’água”, isto é, para sustentar o insustentável. Lamentável, profundamente lamentável.
Tudo começou com a negação da afirmação ortodoxa de que Jesus, em Sua encarnação, além de continuar a ser 100% Deus, era 100% homem. O irmão que a fez, que sempre foi ortodoxo, de repente passou a estranhamente defender que Jesus, em Sua encarnação, era 100% Deus (Ok!), mas não era 100% homem (?!?!?). E ao ser alertado gentilmente por colegas, através de e-mail, do erro que cometera, não apenas desdenhou seus colegas (como pude constatar posteriormente) como depois partiu para posts de ataque pessoal a esses irmãos, que tiveram que se defender.
Quando confrontado na blogosfera sobre o fato de que toda a cristandade afirma enfaticamente, há mais de 1.500 anos, à luz da Bíblia, que Jesus, em Sua encarnação, além de continuar a ser plenamente Deus, era completamente homem, o referido irmão perdeu todos os limites, passando a usar descaradamente o expediente reprovável da “dislexia” premeditada, e chegando, infelizmente, até a confundir alguns cristãos sinceros. Em vez de reconhecer o erro, disse que, ao não crer que Jesus não era 100% homem em Sua encarnação, não estava dizendo com isso que não cria que Jesus era plenamente homem em Sua encarnação (?!?!?). Disse que aceitava as expressões "verdadeiramente" e "plenamente" para se referir à natureza humana de Cristo em Sua encarnação, mas não a expressão 100% (?!?!?), como se não significassem a mesmíssima coisa. Chegou a ser até constrangedor ver outros irmãos tendo que lembrar que dizer que algo é 100% alguma coisa é o mesmo que dizer que esse algo é completamente, verdadeiramente, plenamente, perfeitamente essa alguma coisa.
Por favor, queridos leitores, não se ofendam por passar agora a dar um exemplo explicativo do que estou falando, como se eu não acreditasse na capacidade dos senhores e senhoras de entender o óbvio ululante do que acabei de afirmar. É porque o didatismo nos leva a partirmos sempre do princípio de que eventualmente alguém a quem estamos explicando algo pode ainda não ter entendido esse algo, por mais óbvio que seja. Vamos lá: Se uma parede é completamente azul anil, perfeitamente azul anil, verdadeiramente azul anil, totalmente azul anil, o que estou dizendo, portanto, é que ela é... 100% azul anil. Ou digamos que diga que uma parede é 100% verde oliva; logo, estou dizendo que ela é totalmente verde oliva, completamente verde oliva, verdadeiramente verde oliva, perfeitamente verde oliva. Ou não?
Repito: Chega a ser constrangedor ter que explicar isso.
Mas, aí, apesar dessa gritante “dislexia” premeditada (Premeditada, sim, porque eu não acredito que alguém, mesmo que minimamente inteligente, não entenda algo que até uma criança entende perfeitamente), o nosso irmão passou a desafiar as pessoas que contestavam sua heresia a encontrarem pelo menos um teólogo protestante pentecostal que usasse exatamente o termo “100% Deus e 100% homem”. Aí, um irmão apresentou-lhe de cara os dois maiores teólogos pentecostais vivos da atualidade, Stanley Horton e William Menzies, afirmando em “Doutrinas Bíblicas Pentecostais” (CPAD) a obviedade à luz da Bíblia, e repetida por séculos por teólogos ortodoxos, de que Jesus era, em Sua encarnação, “100% Deus e 100% homem”. Entretanto, não bastou.
Vejam até que ponto pode levar a vaidade humana: Passou-se a dizer, então, que Horton e Menzies, apesar de teólogos respeitáveis e admiráveis, não estavam sendo totalmente bíblicos nessa questão! E aí a coisa que já estava mal passou a degringolar de vez...
Enfaticamente o nosso irmão passou a defender que a natureza humana de Jesus não era igual à nossa ou à de Adão, mas diferente (sic); a ensinar que existem três tipos ou modalidades (sic) de naturezas humanas (a nossa, a de Adão e a de Jesus); e que Jesus, em Sua encarnação, era, portanto, homem apenas em determinado sentido, e não em todos os sentidos, como se o fato de Jesus continuar a ser Deus em Sua encarnação tivesse feito com que a natureza humana dEle fosse diferente da minha, da sua e da de Adão e Eva; como se as propriedades de uma natureza afetassem as propriedades da outra, em vez de as propriedades de ambas as naturezas terem se mantido intactas, como defende, com acerto, à luz da Bíblia, o Concílio de Calcedônia.
Aliás, por falar de Concílio de Calcedônia, em meio a essa tentativa de defender o indefensável, o referido irmão chegou a desprezar o Credo de Calcedônia, só aceitando o Credo dos Apóstolos, o Credo Niceno e o Credo de Atanásio.
Isso mesmo: Calcedônia? Não. Só os três primeiros credos. Isso é assinar um atestado de heresia!
Ora, todo mundo sabe que como o Credo dos Apóstolos foi criado nos primórdios do Cristianismo, ele não se preocupava em tecer detalhes sobre doutrinas bíblicas como, por exemplo, a divindade de Cristo e do Espírito Santo. Era um credo absolutamente enxuto, que omitia a defesa explícita de várias doutrinas. Justamente por isso, era também aceito por arianos e unitários, que, respectivamente, não crêem na divindade de Cristo e na Doutrina Bíblica da Trindade. Então, para combater as heresias ariana e unitária, foram necessários posteriormente credos mais explícitos quanto a esses assuntos, daí o Credo de Atanásio e o Credo Niceno, exatamente para combater essas heresias. Porém, pouco tempo depois, veio outra heresia, o Eutiquianismo, ensinando que a natureza humana de Jesus era diferente da nossa; e em resposta a mais esta heresia, foi elaborado o Credo de Calcedônia, aceito por toda a cristandade no mundo, exceto pelas seitas mórmon, testemunhas de jeová e sete pequenas seitas saídas da Igreja Ortodoxa.
Por que o desprezo desse irmão ao excepcional Credo de Calcedônia, totalmente bíblico e ortodoxo em seu conteúdo? Porque ele não se coaduna com o que esse irmão defende: um Eutiquianismo adaptado, versão 2001. Falei isso em artigo anterior (Leia-o aqui). Lembremo-nos que Eutíquio defendia exatamente a heresia de que a natureza humana de Jesus não era idêntica à nossa, mas fora especialmente criada por Deus para a missão que veio cumprir. E com o passar do tempo, Eutíquio sofisticou sua heresia. Ele sempre reconheceu a divindade de Cristo, mas não reconhecia a plena natureza humana dEle e, ao final, terminou proclamando que Jesus tinha uma natureza humana deificada.
E ainda há irmãos em Cristo que prezo muitíssimo, mas que, levados por esse engodo, estão sugerindo um “Concílio” para a denominação discutir as duas naturezas de Cristo! Meus amados irmãos, o que é isso! Todas as igrejas cristãs, sejam elas evangélicas, católicas ou ortodoxas, reconhecem o Concílio de Calcedônia: Batista, Presbiteriana, Assembléia de Deus, Luterana, Anglicana, Metodista etc. Se a cada confusão que um simples crente ou obreiro em particular de uma dessas denominações tiver, em relação a uma Doutrina Bíblica fundamental, essas denominações fossem fazer um “Concílio”, teríamos inúmeros “Concílios”. Queridos, não se fazem “Concílios” para definir Doutrinas Bíblicas fundamentais, que nos definem como cristãos; e não são as instituições cristãs que têm que fazer novos “Concílios” para definir algo que já está definido por toda cristandade há mais de 1.500 anos e que nos define como cristãos, só porque há irmãos aqui ou ali que não conhecem direito as Doutrinas Bíblicas fundamentais; são as pessoas que têm essas dúvidas que devem conhecer melhor as Doutrinas Bíblicas esposadas pela cristandade e por sua denominação.
Se alguém em nossa denominação não conhece a Doutrina Bíblica basilar, fundamental, das duas e plenas naturezas divina e humana de Cristo, é porque nunca a estudou direito e precisa fazê-lo. Falta de oportunidade não teve. Além de inúmeros livros que a Casa já publicou mencionando o assunto (Doutrinas Bíblicas Pentecostais; O Cristianismo Segundo a Bíblia, Fundamentos da Fé Cristã etc etc), desde os anos 30, as revistas de Escola Dominical da CPAD publicaram edições inteiras sobre Cristologia escritas por Samuel Nyström, José Menezes, João de Oliveira, Lawrence Olson, Eurico Bergstén, Estevam Ângelo de Souza, só para citar os mais antigos, defendendo exatamente “o mistério da piedade”: que Jesus, em Sua encarnação, era completamente, totalmente, perfeitamente, verdadeiramente Deus e completamente, totalmente, perfeitamente, verdadeiramente homem; 100% Deus e 100% homem.

Três tipos de natureza humana?!?

Não existem três tipos ou modalidades de natureza humana! Isso não é ensinado na Bíblia. Existe apenas a natureza humana, que não foi criada por Deus tendo tendência pecaminosa. Essa tendência pecaminosa os seres humanos só ganharam depois da Queda. Portanto, considerar como tendo natureza 100% humana apenas os homens que herdaram o pecado original para afirmar que Jesus, então, não poderia ser considerado 100% humano porque não herdara a tendência pecaminosa, é dizer que (1) o pecado faz parte da essência da natureza humana e que (2) Deus é o autor do pecado, quando a Bíblia mostra exatamente o contrário.
Porque Deus criou o ser humano diretamente à imagem e semelhança dEle (Gn 1.27), a natureza humana foi criada originalmente sem pecado, sem tendência pecaminosa, e, claro, auto-consciente, racional, dotada de senso moral e detentora de livre agência ou livre-escolha, o que são outras características dessa “imagem e semelhança”. A própria Palavra de Deus afirma isso ao dizer que Adão e Eva sequer conheciam o mal, o que passaram a conhecer apenas após comerem do fruto proibido (Gn 1.17; 3.22).
Se um homem ou uma mulher só pudessem ser considerados 100% humanos se tivessem tendência pecaminosa, logo, por esse critério (que não é apenas não-bíblico, mas também antibíblico), Adão (O primeiro homem!) não poderia ser considerado 100% homem porque não tinha tendência pecaminosa ao ser criado. Vejam que absurdo! E pior ainda é se falar de um terceiro tipo ou modalidade de natureza humana, dizendo que Jesus não era nem como Adão!
Jesus, afirma a Bíblia, era 100% homem (Hb 2.14,17; 4.15), assim como Adão, eu e você; com a única diferença de que era um homem que não herdou o pecado original. Portanto, era como Adão antes da Queda. O que não significa que existam duas modalidades de natureza humana ou que Jesus era menos humano que eu e você, porque a tendência pecaminosa não faz parte da essência humana (como vimos em Gênesis), não é o que nos define como humanos. Ademais, até dos resultados não-morais do pecado de Adão e Eva Jesus participou, mas sem que Ele mesmo se tornasse pecaminoso (Rm 8.3; Gn 3.17-19).
Além de essa verdade ser óbvia à luz do texto bíblico, há quase dois milênios de cristianismo reconhecendo essa obviedade à luz da Bíblia. De Irineu a Agostinho, e deste a Tomás de Aquino, e deste a Lutero e Calvino, passando por todos os grandes teólogos ortodoxos do Cristianismo.

Filho Unigênito de Deus não é referência à humanidade de Cristo!
Outro absurdo repetido à exaustão é que Jesus teria uma natureza humana diferente da nossa, “sui generis”, porque a Bíblia O chama de “Unigênito” ou “Unigênito de Deus” (Do grego "monogenes" e "monogenes theos"). Ora, essa expressão bíblica não se refere à qualidade ou à diferença da natureza humana de Cristo, ou melhor, não se refere a NADA da natureza humana de Cristo, mas à Sua divindade eterna! Quando João diz que Cristo é o Unigênito de Deus, está dizendo que aquele homem Jesus, que andou entre eles, sempre fora Deus, por toda a eternidade, e não afirmando que a natureza humana de Cristo é uma criação “sui generis” de Deus.
“Unigênito de Deus” significa: Jesus é Deus; Ele sempre teve todos os atributos da divindade; Ele sempre esteve unido, eternamente, ao Pai.
Esse tipo de declaração absurda sobre o significado da expressão “Unigênito de Deus” só revela a que nível de distorção as coisas chegaram a fim de se sustentar uma heresia. Nem o próprio texto bíblico está sendo minimamente respeitado.

Como estropiaram um excelente texto de Hank Hanegraaff
Eis outro exemplo gigantesco de “dislexia” premeditada: Dizer que Hank Hanegraaff, em “Cristianismo em Crise” (CPAD), defende que Jesus não era um homem como Adão e que quem defende isso segue a heresia de Kenneth Copeland. Que absurdo! O herege Kenneth Copeland defende que Jesus, em Sua encarnação, deixou de ser Deus, passando a ser apenas homem. É essa bizarria que Hanegraaff ataca, e não que Jesus não era 100% homem em Sua encarnação.
Caro leitor, leia (ou releia) o que Hanegraaff escreve sobre o herege Kenneth Copeland com grifos que não são meus, mas de quem defende esse tipo de coisa:
Até agora vimos que os mestres da Fé recriam o homem à imagem de Deus, rebaixam Deus à condição humana, e deificam Satanás como se fora um deus. Daqui em diante nós os veremos rebaixarem Cristo ao nível dum mortal qualquer. Considere o leitor esta inacreditável declaração, feita por Kenneth Copeland:
[Adão] era a cópia, parecendo-se exatamente com [Deus]. Se você pusesse Adão ao lado de Deus, veria que um e outro são exatamente iguais. E se pusesse Jesus lado a lado com Adão, eles se pareceriam e soariam precisamente idênticos.
Aqui temos um eminente mestre da Fé que não reconhece qualquer diferença ou distinção entre Deus e o homem. Mas a coisa não para nesse ponto.
Paremos aqui por enquanto. Não precisa ser nenhum erudito para entender o que foi escrito. E se alguém ainda tem dificuldade de entender um texto simples numa primeira leitura, releia-o de novo. E se já leu o suficiente, então vamos à pergunta: Por acaso, o texto acima diz que a afirmação de que Jesus, em Sua encarnação, além de continuar a ser 100% Deus, era um homem igual a eu, você e Adão, significa o não reconhecimento “de qualquer diferença ou distinção entre Deus e o homem”? Significa rebaixar Jesus em Sua divindade e exaltar o homem à estatura da divindade? Onde? Como?
Pois é, mas não pára por aí. Vejamos a seqüência da citação.
Ao ser interrogado a respeito dessa blasfêmia, Copeland replicou: “Eu não disse que Jesus não era Deus. Disse apenas que Ele [Jesus] não reivindicou ser Deus quando esteve nesta Terra. Busquem os Evangelhos por vocês mesmos. Se o fizerem, verão a verdade do que digo”.
Se os seguidores de Copeland seguissem a sugestão de rebuscar os Evangelhos, descobririam quão errado está. Para começar, consideremos o Evangelho de João. Jesus asseverou: “Eu e o Pai somos um”.
Outra pausa. Nova pergunta: Afirmar que Jesus, em Sua encarnação, além de continuar a ser 100% Deus, era um homem igual a eu, você e Adão, é dizer que Jesus, quando estava aqui na Terra, nunca reivindicou ser Deus? É dizer que Jesus havia deixado de ser Deus na Sua encarnação? É dizer que Jesus nunca disse que era Deus?
Quem afirma que Jesus encarnado é 100% homem e 100% Deus não crê que Jesus era Deus? É isso mesmo? Alguém aí entendeu outra coisa?
Mas, o pior ainda está por vir.
Os leitores modernos poderão não captar o significado dessa afirmativa, mas os judeus antigos certamente não tiveram dúvidas. Sabiam exatamente o que Jesus queria dizer; [...] Jesus proclamou-se mesmo Deus; mas Copeland, à semelhança dos judeus que pretenderam apedrejá-lo, proclama-o um mero homem. (...)
Deixa eu ver se entendi: A palavra “homem” em itálico ao lado da expressão “mero” é para sugerir aos leitores que quem afirma que Jesus, em Sua encarnação, além de continuar a ser 100% Deus, era também 100% homem, não acredita que Jesus encarnado não era só homem? É isso?
Não, não faz o mínimo sentido. Vamos dar uma segunda chance. Talvez seja outra coisa. Talvez seja para insinuar que Hanegraaff está sugerindo aqui que existem tipos de natureza humana e a de Jesus seria, então, diferente da minha, da sua e da de Adão. É isso mesmo?
Alguém aí sabe o significado da palavra “mero”? Uma ajudinha: Pode significar (1) “sem mistura”, “puro” ou (2) “comum”, “simples”. Pois bem, em qual sentido Hanegraaff usa o termo aqui? Será que é no primeiro sentido? Se sim, ele estaria falando que Jesus não era “um homem puro” ou “puro homem”. Ué, mais ele não diz expressamente no mesmo livro “Cristianismo em Crise” que Jesus, em Sua encarnação, era “100% homem”? Como é que estaria dizendo agora que Jesus não seria “puro homem” ou “um homem puro”? Ah, não... O que Hanegraaff está dizendo é que Jesus não era apenas, simplesmente, tão somente, só ou somente homem. Ele está dizendo que Jesus não era só 100% homem, mas que era também 100% Deus, como ele mesmo assevera expressamente mais à frente, reverberando o ensino bíblico sobre as duas e plenas naturezas de Cristo em Sua encarnação. Se há alguma dúvida, tiremos o “mero” da frase e vamos relê-la agora: “Copeland, à semelhança dos judeus que pretenderam apedrejá-lo, proclama-o um homem”. Sentiu alguma coisa? Relei-a agora na forma original, com o “mero”: “Copeland, à semelhança dos judeus que pretenderam apedrejá-lo, proclama-o um mero homem”.
Alguma dúvida de que Hanegraaff não está negando que Jesus era 100% homem como nós, mas apenas destacando que Ele também era mais do que isso: continuava a ser 100% Deus em Sua encarnação? Nenhuma!
Mas, prossigamos com o excelente texto de Hanegraaff.
Espantosamente, Copeland deifica o homem e rebaixa Jesus Cristo. Confunde-nos a mente ouvi-lo:
Por que Deus tem de pagar o preço por isso? Ele precisava dum homem que fosse igual ao primeiro. Tinha de ser um homem. Precisava ser inteiramente homem. Ele não pode ser um Deus e invadir o espaço aqui com atributos e dignidades que não são comuns ao homem. Ele não pode fazer isso. Não seria legal.
Qual será a razão de destacar exatamente a frase de Hanegraaff “Copeland deifica o homem e rebaixa Jesus Cristo” e as de Copeland “Ele não pode ser um Deus” e “Ele não pode fazer isso”? Entendi errado ou o irmão está sugerindo o absurdo de que Hanegraaff estaria dizendo que quem afirma que Jesus, em Sua encarnação, é 100% homem e 100% Deus está “deificando o homem e rebaixando Jesus Cristo” como faz Copeland?
Prossigamos.
Não somente Copeland reduziu Jesus a uma cópia em papel-carbono do homem que percorria o jardim do Éden — como se Adão fosse o Theanthropos (o Deus-homem) — mas despoja claramente o Senhor Jesus Cristo de todo e qualquer indício de deidade.”
Qual será a razão de o irmão destacar essa frase inicial? Por acaso, quem afirma que Jesus, em Sua encarnação, era 100% homem e continuava a ser 100% Deus está afirmando que Adão era Deus também?
A seguir, marque a alternativa correta. Quem afirma que Jesus, em Sua encarnação, era 100% homem (como eu, você e Adão) e continuava a ser 100% Deus está afirmando:
( ) Que Adão era Deus-homem como Jesus.
( ) Que Adão e Jesus eram iguais apenas em natureza humana
Assinalada a alternativa correta, vamos ver agora o que Hanegraaff fala sobre Cristo e Adão.
No capítulo 75 de sua obra “The Complete Bible Answer Book” (“O Livro Completo de Respostas da Bíblia”), Hanegraaff, ao discorrer sobre a encarnação de Cristo, afirma que ao dizer que “Ele [Jesus] não era meramente humano” não está querendo dizer que Jesus “não era completamente humano” em Sua encarnação, mas que Ele, em Sua encarnação, além de ser totalmente homem, continuava sendo “totalmente Deus”. Ele não está reconsiderando a plena natureza de Cristo como se Ele não tivesse sido como qualquer ser humano em Sua encarnação, mas apenas lembrando que Jesus tinha duas naturezas: uma humana e outra divina. E depois de explicar isso, enfatiza com todas as letras: “O Deus-Homem é plenamente humano”.
E em seguida, ainda no mesmo capítulo, Hanegraaff ressalta que Jesus era semelhante a Adão antes da Queda por não ter herdado o pecado original: “Assim como Adão foi criado sem inclinação para o pecado, assim foi o segundo Adão isento do pecado original”.
É isso aí, Hanegraaff. Ortodoxia pura.
Lendo corretamente Vine para quem o leu errado
Outro caso de “dislexia” premeditada: A afirmação de que o "Dicionário Vine" (CPAD), ao comentar o termo grego “homoiõma” (ver verbete SEMELHANÇA, pág, 982), usado em Filipenses 2.7, defende que a natureza humana de Jesus era diferente da nossa. Onde Vine diz isso? Em canto nenhum. O que diz Vine? Primeiro, diz que o vocábulo “homoiõma” denota “semelhança” e também “aquilo que é feito como algo” (por isso, há versões no português e no inglês que traduzem-no aqui das duas formas); e segundo, ao comentar o uso do referido vocábulo em Filipenses 2.7, apresenta uma excelente citação da obra “On the Incarnation” do teólogo e juiz escocês Adam Lord Gifford (1820-1887), que por sua vez cita o “Comentário da Epístola aos Filipenses” do então jovem pastor e teólogo batista Frederick Brotherton (F.B.) Meyer (1847-1929), justamente para defender que o uso de “homoiõma” em Filipenses 2.7 não indica, à luz da expressão “forma de servo” (que aparece no mesmo versículo), e de outras passagens neotestamentárias que falam também sobre a encarnação, que a natureza humana de Jesus era diferente da nossa.
Diz Gifford: “A expressão ‘semelhança do homem’ (ARA) por si só não implica, muito menos exclui ou diminui, a realidade da natureza que Cristo assumiu. Isto [...] está declarado nas palavras ‘forma de servo’. [Agora, Gifford cita Meyer para explicar o uso que Paulo faz aqui de ‘homoiõmas’:]‘Paulo simplesmente diz ‘semelhante aos homens’ porque, de fato, Cristo, embora sem dúvida Homem perfeito (Rm 5.15; 1Co 15.21; 1Tm 2.5), foi, por causa da natureza divina presente nEle, não apenas e meramente homem, [...] mas o Filho encarnado de Deus’”.
Ora, o que vemos é Gifford defendendo a plena identificação de Cristo com a natureza humana em Sua encarnação. Ele diz expressamente que o fato de a expressão usada em Filipenses 2.7 ser, no original, “semelhança do homem” “não implica, muito menos exclui ou diminui, a realidade da natureza que Cristo assumiu”, uma vez que a expressão “forma de servo” denota plena humanidade e outras passagens do NT são ainda mais fortes para descrever a completa humanidade de Cristo, como destacará citando Meyer. O que é isso, se não a defesa da total humanidade de Cristo?
Alguns leitores poderiam eventual e desnecessariamente ficar confusos com o uso do termo “implicar” por Gifford nessa citação, na versão em português de Vine, porque o termo “implicar” pode ter, no português, dois significados básicos: (1) embaçar e confundir ou (2) resultar. Aqui, o tradutor da citação de Gifford para o português emprega o vocábulo “implicar” exatamente no sentido de embaraçar, e não de resultar. É uma aplicação correta, já que, no original em inglês deste verbete, Gifford usa a expressão “itself imply”, que significa literalmente “encerrar em si mesmo”.
Ou seja, o que Gifford está dizendo é que a expressão “semelhança do homem” não encerra em si mesma a realidade do que foi a natureza humana, que Cristo assumiu em Sua encarnação, pois passagens como Romanos 5.15, 1Coríntios 15.21 e 1Timóteo 2.5, citadas por Meyer (e muitas outras poderiam ainda ser citadas), deixam claro que Jesus era plenamente homem como nós em Sua encarnação. Isto é, Gifford não está dizendo que Jesus não era 100% homem em Sua encarnação, mas afirmando que Paulo, nessa passagem em apreço, usa o termo “homoiõma” porque tem como foco aqui o fato de que Jesus continuava a ser Deus na encarnação mesmo tendo tomado “a forma de servo” (Aliás, se o termo “forma de Deus” implica plenamente Deus, o termo “forma de servo”, em relação à humanidade, implica plenamente homem). E Gifford ainda reforça isso citando o comentário de Meyer.
Meyer, por sua vez, também não diz que Jesus não era, em Sua encarnação, um ser humano como eu e você, mas diz que Ele não era apenas e meramente homem. E por quê, Meyer? Será que é porque Jesus teria uma natureza humana diferente da nossa? Não! Meyer é claro: É porque, além de ser perfeitamente homem, Jesus era também Deus encarnado – “O Filho encarnado de Deus”. Meyer está dizendo: “Paulo usa ‘homoiõma’ aqui porque Jesus não era só homem. Ele era Deus e homem, Deus feito homem. Ele tinha dupla natureza, e não uma natureza humana diferente da nossa”. E para não deixar dúvidas sobre isso, ao se referir à humanidade de Cristo, Meyer repete um termo usado na declaração de Calcedônia e repetido por teólogos ortodoxos durante séculos para descrever a plena humanidade de Cristo: “homem perfeito” ou “perfeitamente homem”. Calcedônia usa essa expressão para dizer que Jesus era homem mesmo em Sua encarnação, como eu e você.
Enfim, o que o verbete de Vine sobre “homoiõma” nos diz explicitamente é que a natureza humana de Cristo era real, verdadeira, integral.

“Homoios”, “Homoiõs” e “Isos”
Mais uma “dislexia” premeditada: a distorção do significado do vocábulo grego traduzido, em algumas versões em português, como “semelhante” em Hebreus 2.17, num malabarismo exegético para tentar justificar a heresia de que Jesus, em Sua encarnação, não era 100% homem como nós ou Adão. Mais uma vez, o pobre Vine é “esganado” para dizer o que não diz.
Para começar: Quem disse que somente quando o vocábulo “Isos” aparece no texto bíblico existe a idéia de igualdade de fato? “Isos” só aparece em oito versículos em todo o Novo Testamento e há muitas outras passagens neotestamentárias cuja a idéia de igualdade é obviamente expressa sem o uso do vocábulo “Isos”. No grego, não é só o vocábulo “Isos” que expressa a idéia de igualdade. Exemplo: O vocábulo “homoios”, para o qual o Dicionário Vine (CPAD) dá os seguintes significados (ver verbete “COMO”, pág. 479): “Como, semelhante a, do tipo que, igual a”. Ué, “homoios” significa “semelhante a” ou “igual a”? Por que pode significar as duas coisas?
Quem estuda exegese sabe muito bem que o que vai determinar em que sentido exato um vocábulo está sendo usado é exatamente o seu contexto. Exemplo: Como ressalta Vine, “homoios” pode ser usado para referir-se à igualdade de aparência (que teria o significado popular que damos à expressão “semelhança”) e à igualdade de forma, habilidades, condição, natureza, ação e pensamento. Logo, o aludido vocábulo é utilizado, por exemplo, para dizer que Deus não é “semelhante ao ouro, ou a prata, ou a pedra esculpida por artifício e imaginação dos homens”, mas também para descrever pessoas igualmente mentirosas (Jo 8.55); para descrever exatamente um mesmo destino (Jd 7); para descrever a mesma natureza das obras da carne (Gl 5.21); e usada por João em sua Primeira Epístola para dizer que veremos a Cristo exatamente como Ele é: “Assim como [homoios] é o veremos” (1Jo 3.2). Alguém tem dúvida de que João, nessa passagem, está dizendo que veremos Jesus exatamente como Ele é? Ou será que ele está dizendo que, lá na eternidade, veremos Jesus apenas parecido com o que Ele realmente é?
Enfim, é um grosseiro subterfúgio ignorar que (1) um vocábulo pode ter diferentes nuances de sentido dependendo do contexto em que é empregado e que (2) o grego não só tem uma palavra para descrever a idéia de igualdade.
Bem, e qual é o vocábulo que aparece em Hebreus 2.17 e 4.15 sendo traduzido em algumas versões para o português por “semelhante” e em outras para “igual”? E mais: Esse vocábulo traz a idéia de igualdade mesmo ou não?
O tal vocábulo é “homoiõs”, que segundo o próprio Vine (verbete IGUALMENTE, pág. 700) significa “Do mesmo modo, semelhantemente, igualmente” e é derivado do adjetivo "homoios", de que já falamos e que é citado em 1 João 3.2 (“Assim como é o veremos”). Vine lembra que “homoiõs” aparece no texto bíblico, por exemplo, para descrever uma igualdade de situações (Mt 22.26; Lc 17.28); igualdade de práticas (Lc 5.33); igualdade de tratamentos (Lc 6.31); igualdade de comportamentos (Lc 10.32,37; Rm 1.27; Jd 8); igualdade de proporções (Lc 16.25); igualdade de ação (Lc 17.31); igualdade de ações entre o Pai e o Filho (Jo 5.19); repartir igualmente (Jo 6.11); dar de igual forma (Jo 21.13); igual modo (Tg 2.25; Ap 8.12); e para descrever deveres com igual peso (1Pe 3.1,7; 5.5). Não é à toa que, na maioria dessas passagens, “homoiõs” é traduzido literalmente como “igual”, “igualmente” ou “mesmo”. E num mesmo capítulo (1Pe 3), ele é traduzido como “igualmente” (v1) e “semelhantemente” (v7) em situações em que não há diferença alguma de sentido nas duas ocasiões em que o termo é usado. É só questão estilística.
Enfim, o vocábulo traduzido em algumas versões do NT para o português como “semelhante” em Hebreus 2.17 é “igualmente” (“homoiõs) no original grego, como já havíamos afirmado.
Mais uma referência? Sempre é bom, não é mesmo? Que tal a maravilhosa “Chave Linguística do Novo Testamento Grego” (lançada no Brasil conjuntamente pelas editoras Targumim – judia – e Hagnos – evangélica – em 2009). Ela foi elaborada pelos teólogos Wilfrid Haubeck (Doutor em Teologia, professor de Exegese Neotestamentária e Grego no Seminário Teológico de Ewersbach, Alemanha) e Heinrich Von Siebenthal (Doutor em Filosofia, professor de Línguas Bíblicas e Pesquisa de Textos na Academia Teológica Freien, na Alemanha). A obra traz todo o texto do NT na grafia original grega, um minidicionário grego-português na introdução e cerca de 100 páginas de um anexo gramatical ao final. Vale a pena. Bem, como é que essa obra traduz o tal trecho de Hebreus 2.17? “Tornar-se semelhante/igual; ser igual” (Pág. 1202). E o vocábulo “homoios”, de onde deriva “homoiõs”? “Igual/do mesmo tipo; similar [similar significa "que tem a mesma natureza"]”, tradução idêntica a que dá o Vine (“Como, semelhante a, do tipo que, igual a”, página 479).
Mais uma ajuda? A obra “A Commentary on the Epistle to the Hebrews” (“Comentário da Epístola aos Hebreus”), ainda não publicada no Brasil, de autoria do teólogo britânico reformado Phillip Edgcumbe Hughes. Ela afirma, em sua página 110, comentando Hebreus 2.14, onde aparece também, no original, o vocábulo “homoiõs”: “O advérbio grego ‘homoiõs’ traduzido aqui como ‘igualmente’, em nossa versão [King James], implica, afirma Spics, ‘em uma total similaridade; ele pode ser traduzido como ‘sem qualquer diferença’; Cristo foi integralmente homem’”. E depois de citar Spics, Hughes enfatiza que o vocábulo grego ali significa “igualmente” e lembra ainda que, apesar de o referido advérbio grego já ser suficiente para expressar igualdade de naturezas, ou seja, naturezas “idênticas” (nas palavras do próprio Hughes), o escritor aos Hebreus ainda usa a expressão “as mesmas coisas” para reforçar o fato de que Cristo assumiu indubitavelmente a nossa natureza humana e não alguma coisa parecida com ela.
Concluindo, escreve Hughes ao final do primeiro parágrafo da página 111: “O Filho de Deus assumiu a mesma natureza humana [que nós] e assim veio verdadeiramente como homem, em verdadeira conformidade com a humanidade”.

Nem o pobre do Norman Geisler escapou da distorção. O que ele fez para merecer isso?
Para encerrar por aqui, porque já escrevi demais, vamos agora ver o que fizeram com o pobre Geisler. Eis o texto dele (sempre excelente):
O cristianismo ortodoxo sustenta a crença que Jesus, o “Filho de Deus”, assumiu natureza humana finita e se tornou homem — o Deus encarnado. Textos como Filipenses 2.5-8 fazem mais sentido quando os entendemos no contexto da união das duas naturezas encontradas na única pessoa, Jesus Cristo. A Bíblia declara claramente:[v.5] Seja a atitude de vocês a mesma de Cristo Jesus, [v.6] que embora sendo Deus, não considerou que o ser igual a Deus era algo a que devia apegar-se; [v.7] mas esvaziou-se a si mesmo, vindo a ser servo, tornando-se semelhante aos homens. [v.8] E, sendo encontrado em forma humana, humilhou-se a si mesmo e foi obediente até a morte, e morte de cruz!Observe que esse texto não diz que Deus se tornou homem, i.e., que o infinito se tornou finito. Seria uma contradição lógica dizer que o infinito e o finito existem na mesma natureza. Vamos examinar esse mistério logo adiante, mas por ora é importante saber que esta doutrina não é uma contradição. Podemos entender que esse texto diz que “Jesus Cristo, o eterno Filho de Deus, retendo todos os seus atributos divinos, assumiu para si o padrão de conduta volitivo humano quando assumiu para si mesmo todos os atributos essenciais da natureza humana”. Esse entendimento das naturezas de uma pessoa, Jesus, nos conduz à nossa próxima pergunta.
Veja a frase e expressões que foram postas em destaque (Sempre lembrando que os grifos não são meus nem do autor do texto, mas de quem está tentando provar o improvável). Note, por exemplo, como se grifou equivocadamente uma frase ortodoxa para se defender o absurdo de que Jesus não era homem como eu, você e Adão em Sua encarnação. A frase é: “Seria uma contradição lógica dizer que o infinito e o finito existem na mesma natureza”. Claro! Quem defende um absurdo desses está dizendo que Jesus, ao encarnar, deixou de ser 100% Deus para ser 100% homem, quando a Bíblia afirma que Jesus, na Sua encarnação, continuou sendo 100% Deus ao se tornar também 100% homem. O que Geisler está dizendo mais claro do que a luz do dia é que Jesus, ao encarnar, não perdeu a Sua natureza divina. A encarnação não foi a perda da natureza divina para se ganhar a natureza humana, mas a adição da natureza humana à natureza divina na pessoa de Cristo sem afetar as propriedades de cada uma: Jesus era 100% Deus e 100% homem. O infinito e o finito NÃO existem NA MESMA natureza. Jesus encarnado tem DUAS naturezas distintas EM UMA MESMA Pessoa. Jesus “reteve(=manteve) todos os Seus atributos divinos quando assumiu para si mesmo todos os atributos essenciais da natureza humana”. Nada mais, nada menos, do que afirmou Calcedônia à luz da Bíblia.
E Geisler só faz reafirmar isso a seguir.
COMO JESUS CRISTO PODE SER TANTO DEUS QUANTO HOMEM?
O Novo Testamento mostra Jesus claramente como uma pessoa que tem duas naturezas, a humana e a divina. Um olhar apressado nessa verdade pode causar o mal-entendido de que a expressão frequentemente mencionada — “Deus se tornou homem” — signifique que o infinito se tornou finito. Isso não é uma descrição tecnicamente precisa da encarnação. Não há problema em verbalizar a encarnação dessa maneira entre crentes que pensam da mesma maneira — contanto que o significado seja perfeitamente entendido pelo locutor e pelos ouvintes. Entretanto, a encarnação deve ser corretamente entendida da seguinte forma: “Jesus, o Deus Filho, existindo como a segunda pessoa do Deus trino e uno, uniu sua natureza divina a uma natureza humana e por meio dela veio ao mundo”. Quer dizer, ele não parou de ser Deus quando adicionou humanidade a si.
” GEISLER, Norman, Fundamentos Inabaláveis, Editora Vida, p.318-319.
É isso aí, grande Geisler: Jesus não deixou de ser 100% Deus quando se tornou 100% homem, mas Ele continuou sendo 100% Deus sendo agora também 100% homem. Ortodoxia pura.
E por falar em Geisler, os teólogos Norman Geisler e Ron Rhodes, em seu livro “Conviction Without Compromisse – Standing strong in the Core Beliefs of the Christian Faith” (“Convicção sem Compromisso – Mantendo-se fortes nas crenças fundamentais da fé cristã”), ainda não publicado no Brasil (pelo menos não que eu saiba), afirmam, na página 57: “Jesus, em sua encarnação, era 100% Deus e 100% homem”. E repetem na página 66: “Cristo, na encarnação, era 100% Deus e 100% homem”.
E nas páginas 61 e 64: “A humanidade de Cristo, como sua deidade, é uma doutrina essencial para a nossa salvação. Como o perfeito mediador entre Deus e o homem, Cristo, em Sua encarnação, era ao mesmo tempo plenamente divino e plenamente humano. Negar isso é uma heresia. De fato, a Bíblia rotula de ‘anticristos’ aqueles que negam sua humanidade (1Jo 4.3; 2Jo 7). (...) A humanidade de Cristo é tão importante que as Escrituras dizem que é heresia negá-la. Como João colocou, ‘Nisto reconheceis o Espírito de Deus; todo espírito que confessa que Jesus Cristo veio em carne é de Deus’ (1Jo 4.2). E ele repetiu o alerta em 2 João 7: ‘Porque muitos enganadores têm saído pelo mundo afora, os quais não confessam Jesus Cristo vindo em carne; assim é o enganador e o anticristo’. É por essa razão que a humanidade de Cristo está entre as grandes e essenciais doutrinas da fé cristã”.
Como citado por Geisler e Rhodes, o teólogo John Walvoord, combatendo o Apolinarianismo, afirma ainda: “É evidente que Cristo possuía uma humanidade verdadeira não apenas em seus aspectos materiais como indicado em seu corpo humano, mas também nos aspectos imateriais especificados nas Escrituras, ou seja, sua alma e espírito. Não é suficiente reconhecer que Jesus Cristo, como Filho de Deus, possuía um corpo humano, mas é necessário ver que Ele tinha uma natureza humana completa: corpo, alma e espírito”.
E na página 67: “Apesar de erros relacionados à humanidade de Cristo não serem tão comuns hoje como outros erros teológicos, ainda nos deparamos de vez em quando com esses erros e, algumas vezes, infelizmente, dentro de igrejas cristãs. Por exemplo, um destes autores [ou seja, Geisler ou Rhodes] visitou uma popular igreja bíblica independente na área de Dallas [Texas] em que um diácono estava ensinando a alunos [de Escola Dominical] que, na encarnação, [...] Jesus era um ser híbrido, parte Deus e parte homem, mas não 100% Deus e não 100% homem. O diácono foi gentilmente informado do que dizia a Bíblia e a classe pôde ser também instruída”.
Na mesma página 67, Geisler e Rhodes citam ainda o caso de um pastor nas Filipinas que nos anos 90 escreveu um livro defendendo, entre outras coisas, que Jesus não era plenamente homem como nós, usando como base Filipenses 2.5-8 e enfatizando nesse texto as expressões “semelhante aos homens” e “figura de homem” para justificar sua posição. E então, na página 68, Geisler e Rhodes, após asseverarem que tal entendimento “é um grave erro”, ressaltam Hebreus 2.17 e fazem a exegese de Filipenses 2.5-8: “Hebreus 2.17 informa-nos que a humanidade de Cristo é necessária para a nossa salvação, pois ‘em todas as coisas Ele foi feito como Seus irmãos, para que Ele pudesse ser um Sumo Sacerdote misericordioso e fiel nas coisas referentes a Deus, e para fazer propiciação pelos pecados do povo’ – NKJV, ênfase adicionada. Se Cristo viesse só como Deus ou só como homem, nossa salvação não seria possível. O próprio entendimento de Filipenses 2.5-8 apóia a idéia de que Cristo, na encarnação, era 100% Deus e 100% homem. O ponto principal desta passagem é que, enquanto Cristo continuava sendo Deus por toda a eternidade, Ele agora ganhara uma natureza complementar - a natureza humana. A encarnação envolveu um ganho de atributos humanos em oposição a uma desistência de atributos divinos. Que isso se entende em Paulo está claro na sua afirmação de que, na encarnação, Cristo ‘na forma de Deus’, o que aponta para a plena divindade de Cristo, veio ‘na forma de servo’, o que aponta para a plena humanidade de Cristo (Fp 2.7)”.
No “Manual Popular de Dúvidas, Enigmas e Contradições da Bíblia”, já publicado no Brasil, comentando Romanos 8.3, Norman Geisler e Ron Rhodes afirmam: “Jesus não foi apenas semelhante aos homens – Ele foi um homem. Ele não veio só em semelhança à carne humana, mas veio com um corpo de carne realmente humana. Nesse ponto as Escrituras são claras. João declarou: ‘E o Verbo [Cristo] se fez carne e habitou entre nós’ (Jo 1.14). Posteriormente ele advertiu que todo aquele que não confessa ‘que Jesus Cristo veio em carne’ não é de Deus (1Jo 4.2,3; cf 2Jo 7). De igual forma, Paulo insistiu que ‘Deus se manifestou em carne’ (1Tm 3.16, SBTB). Noutra parte, nesse mesmo livro [Romanos], Paulo usa a expressão ‘semelhança’ no sentido de ‘ser realmente como’ (Rm 1.23; 5.14; 6.5). Assim, bem pode ser que Paulo não estivesse fazendo diferenciação entre ‘semelhança’ e ‘tal como’. Ou quando Paulo afirmou em Romanos 8.3 que Jesus veio ‘em semelhança de carne’, talvez ele não estivesse se referindo à carne humana como tal [alguma diferença entre a nossa carne e a de Cristo], mas à ‘carne humana pecaminosa’. Jesus tinha verdadeiramente carne humana, mas sua carne era apenas semelhante à carne humana pecaminosa, porque ele não tinha pecado (Hb 4.15; 1Pe 3.18; 1Jo 3.3). De qualquer modo, em Filipenses 2, Paulo fala de Cristo tornar-se ‘em semelhança de homens’, com o sentido de que ele era um ser humano (v7). Assim, sem o adjetivo ‘pecaminosa’, Paulo fala da ‘semelhança’ aos homens como sendo o mesmo que ‘ser humano’”.
Geisler e Rhodes estão dizendo aqui que, no caso específico de Romanos 8.3, o vocábulo que aparece é “homoiõma” (“semelhança”, como em Filipenses 2.7), só que isso não significa que Jesus foi apenas “parecido com os homens”, pois há outras passagens que falam da encarnação em termos indubitáveis de igualdade (Hebreus 2.14,17 [homoiõs] e 4.15 [homoios]). É o mesmo argumento que Gifford e Meyer, citados no "Dicionário Vine", usam para explicar que o uso do mesmo “homoiõma” em Filipenses 2.7 não significa também que Jesus era apenas semelhante a nós em vez de Sua humanidade ser igual à nossa. A diferença é que Geisler e Rhodes ainda lembram que “homoiõmas”, dependendo do contexto, pode significar também “ser realmente como” (ou “tal como”, como ressalta o "Dicionário Vine"), pois o próprio Paulo já o usara em outras passagens nesse sentido, e Geisler e Rhodes entendem que entre esses casos estaria Filipenses 2.7, já que, como já falamos (citando em uma das vezes os próprios Geisler e Rhodes), os termos “forma de Deus” e “forma de servo” deixam claras a plena divindade e a plena humanidade de Cristo, fazendo com que o uso de “homoiõmas”, nesse caso, não signifique que Jesus apenas aparentava ser homem como nós em Sua encarnação.
Em seguida, Geisler e Rhodes ressaltam que provavelmente Paulo usa “homoiõmas” em Romanos 8.3 apenas porque ele fala de “carne pecaminosa”. O ponto é: Se Jesus não nasceu com natureza pecaminosa, logo Ele não era igual à carne pecaminosa, mas “semelhante” a ela. Lembrando ainda que Hebreus 4.15, que usa o termo “igualdade” mesmo, faz uma exceção em seguida: “...mas sem pecado”. Logo, dizer “em semelhança à carne pecaminosa” (Rm 8.3) seria o mesmo que dizer “igual a nós, mas sem pecado” (Hb 4.15).Outros teólogos, como o pentecostal David Nichols, em “Teologia Sistemática, uma perspectiva pentecostal” (CPAD), ressaltam ainda outro detalhe importantíssimo sobre esse assunto. Como Paulo afirma que Jesus foi feito "semelhante à carne pecaminosa", logo Jesus não tinha natureza pecaminosa, não herdou o pecado original, porém essa passagem sugere que "Jesus participou dos resultados não-morais do pecado de Adão e Eva, sem que Ele mesmo se tornasse pecaminoso" (pág. 332). E como lembra Nichols, Ele, mesmo sendo santo em tudo, vivenciou em Sua humanidade "a maldição contra a terra, a labuta dos seres humanos para conseguir alimentos e a morte física", como sentenciado por Deus em Gênesis 3.17-19 a Adão e sua descendência.
Enfim, oremos para que o nosso amado irmão, que promoveu toda essa “lambança”, mas que sempre defendera a ortodoxia bíblica, reconheça seu erro pontual e volte à ortodoxia bíblica a respeito das naturezas humana e divina de Jesus em Sua encarnação. Retificações necessárias sempre são bem-vindas. Não há nada de feio nisso, muito ao contrário: É atitude muito nobre e só reforçará que há um real compromisso com a ortodoxia bíblica.

32 comentários:

Anônimo disse...

Acho que ele vai dizer que esse texto foi escrito para "girafas". Quem lêr entenda!

FSales

Robson Aguiar disse...

Pr. Silas,

Mas uma vez quero parabeniza-lo pelo excelente texto. Uma aula para todos os amantes das Escrituras. Apesar de ser suspeito para falar, não poderia deixar de agradecê-lo pelo seu esforço em ajudar principalmente os leigos que não tiveram oportunidade de frequentar a Escola Biblica Dominical e estão sendo levados por todos os ventos de doutrinas. Principalmente pela gravidade do assunto levantado pelo já conhecido irmão. Não podemos usar eufemismo para essa agressão a ortodoxia biblica. Trata-se de uma heresia.

Estarei publicando uma matéria sobre o assunto.

mariangela disse...

Graça e Paz!!!Parabéns, suficientemente esclarecedor.Abs.

Victor Leonardo Barbosa disse...

Olá pastor Silas, a paz do Senhor!

Concordo piamente com suas proposições. Simplesmente ser contra a expressão "Jesus 100% homem" simplesmente não procede e realmente há incoerência e até mesmo confusão quando se afirma que Jesus era plenamente homem, porém não 100%. Foi este o sentimento que tive quando li uma das mais famosas obras do autor, em 2005.

Concernente ao concílio das assembléias de Deus, creio eu que este seria útil não para simplesmente"pensar" sobre tais questões, mas para ratificar aquilo que os pentecostais(e outros crentes) crêem há muitos séculos(mna verdade, desde sempre).

Ou seja, a produção de um confissão de fé, bem elaborada, que seria de grande auxílio para obreiros.

No mais, que possamos estar juntos e zelar pela posição bíblica ortodoxa da natureza de Cristo.

Forte abraço e Deus o abençoe.

RUBEN disse...

Pr. Silas, A Paz do Senhor!


Com muita alegria, deixo o meu comentário registrado no seu blog, após ler este maravilhoso artigo, que mensurou com maestria a sinceridade do assunto em questão, para os nossos dias de hoje! É como se um peso de um milhão de toneladas saíssem de nossas cabeças! Não dá pra entender o aludido irmão, que propagou toda esta situação, de colocar em cheque, a nossa fé, outrora firmada na condição de que o Autor da Vida, se tornou como um de nós, para que Nele, tivéssemos nossa redenção, visto que sempre (o aludido irmão), já era tido como uns dos principais apologetas de nossa denominação. Verdadeiramente, resta-nos orar, como já foi dito, para que o Único Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem, seja O Guia de nossas mentes!

Deus continue sendo teu protetor, bem como de sua família, tua inspiração, O Espírito Santo!


Dc. Ruben Gonzaga Jorge.
IEAD, Bairro Penha, Gov. Valadares/MG.

Alessandro disse...

A paz do Senhor,

Pastor, lendo agora sua defesa sobre essa questão, tenho que admitir que o Pastor Ciro está equivocado, ainda acredito que a CPADNEWS errou ao afastar o Pastor Ciro,não se deve tratar um irmão em Cristo dessa maneira, lendo em outros blogs a defesa dessa doutrina, confesso que tive tendência a aderir a visão do Pastor Ciro,talvez pela brilhante defesa que o mesmo apresentou ao escrever sobre o tema, e pelo fato de o considerar um dos Blogueiros mais ortodoxos, porém a sua defesa foi esplêndida e não deixou margem a dúvidas quanto a essa questão.

Newton Carpintero, pr. e servo disse...

Prezado pr. Silas Daniel,

Paz! Muita paz!

Me surpreendeu a sua matéria, pois,apesar de tentar demonstrar em seu texto a sua capacidade requerida ao seu cargo, posso afirmar que, muitos não conseguiram ler o seu enorme texto, que sem o desejar, por sua insatisfação, transformou questões simples em pontes de DISLEXIA para muitos, que leram rapidamente e por ALTO a sua matéria.

Sou um dos menores de todos, mas com pouco conhecimento da Bíblia e sem nenhuma DISLEXIA, creia, não diga o contrário, pois, possuindo algumas experiências simples e pessoais com o Deus da Bíblia, posso AFIRMAR, CATEGORICAMENTE, que você deve rever os seus conceitos, posturas e algo mais que somente Deus poderá lhe revelar. Afinal você é jovem e tem muito o que aprender, principalmente quando pensas que conheces o necessário para tentar invalidar o que você agrediu, creio que sem pensar e por pura emoção.

Não se iluda, isto é normal aos que possuem 100% de humanidade e são diferentes do nosso Senhor Jesus Cristo, por misericórdia semelhante aos homens e não igual ou igualzinho, como se afirma por necessidade de manutenção de conhecimentos copilados.

Apesar de não haver dúvidas, posso afirmar que, a grande maioria não conseguiu avaliar com cuidado a sua matéria, pela quantidade de informações um tanto repleta de DISLEXIA, após a leitura do seu texto.

Somente não o farei para não cometer possíveis erros com a minha natureza de homem 100% humano, e longe da natureza de nosso Senhor Jesus Cristo.

Creio que nas suas palavras você demonstra ser com total clareza, os 100% homem em sua vida, muito diferente do nosso Senhor Jesus Cristo, que não possuia pecados, não tinha a necessidade de pedir perdão, pelo contrário pediu que fôssemos perdoados, não tinha vaidade, não havia maldade em seu coração, nâo era caluniador, não sentiu desejo de subornar e nem de enganar, não sentiu desejo de matar, não sentiu desejo por mulheres, não sentiu o desejo de trair os amigos e nem de agradar a outros, não possuia nenhuma arrogância, que na época poderiam avaliar como tal, ao dar chibatadas e virar a mesa dos comerciantes do templo. Afinal é o que mais existe nos dias de hoje. Sempre haverá!

Lembro-me, muito bem, dos sacerdotes que forneceram as trinta moedas de pratas. Estes também foram enganados pelos interesses de Judas Iscariotes, o traidor.

É fácil ser traidor. É fácil ser traido.

Penso que deves reavaliar o motivo da sua postura e afirmações de forma exagerada, neste seu imenso texto, que já demonstra claramente o motivo de suas ambições.

Pare e analise com cuidado sem máculas o que está representando o seu coração, diante de Deus, neste momento talvez crítico para a sua vida espiritual.

Existe alguma luz neste seu texto que produz DISLEXIAS na maioria que o consegue lêr TODO. Eu digo TODO, porque é quase que impossível, ler todo este texto por estar em partes com DISLEXIA.

Penso, repito, deves reiniciar as suas questões e se atrever a proceder com cautela, sobre este assunto, que poderá não ser de grande valia para a sua vida profissional como imaginas.

Verifique se há alguma DISLEXIA na sua postura, não tão necessária ao avaliar o nobre atalaia pastor Ciro Sanches Zibordi, a quem, ao citar o seu nome, por seus comentários de grande valor para a igreja, refletirá em sua vida futura. Seja mais sensato!

Tente da próxima vez, preparar um comentário em que muitos não cometam o pecado da mentira para agradá-lo, ao informá-lo que o leram todo.

Que o próximo não seja acometido de tamanha DISLEXIA.

Por falar em DISLEXIA, o que achas do evento dos gideõs de Camboriú como um evento repleto desta tal DISLEXIA? Se atreves a tal?

O Senhor seja contigo,

O menor de todos os menores. Atento, sem DISLEXIA e homem 100% humano. Nunca igual ao Senhor Jesus Cristo 100% Deus.

Me perdoe, não revisei o meu comentário.

Anônimo disse...

Bem explicado Silas,muito bom,e voce disse uma grande verdade,reconhecer o erro é uma das maiores virtudes do ser humano.


Mario.

Vicente de Paulo disse...

Graça e Paz, parabens Pastor Silas, pelo excelente texto,construido com exaustiva argumentação fundamentada sobre parãmetros bíblicos, teológicos e linguísticos, cujos os argumentos se harmonizam dentro de uma perfeita coerência e coesão textual. Apesar do fato infeliz fato que gerou essa exposição teológica de alto nível, eu fico feliz em saber que no contexto assembleiano existem homens pensando e elaborando uma teologia de bases ortodoxas.

fabio.seattle disse...

Prezado Pastor Silas pelo POST. Confesso que ao ler o POST sobre o assunto do outro blogueiro fiquei preocupado, mas ao ler os minuciosos comentários do irmão, fiquei feliz com a firme defesa da ortodoxia cristã. Gostaria de parabenizá-lo pela cordialidade e moderação com que responde os nossos comentários, diferentemente do outro blogueiro que costuma sempre soltar algumas farpas quando alguém discorda de suas opiniões.

a verdade do evangelho disse...

Parabéns, Pr. Silas Daniel pela excelente exposição das duas naturezas de Cristo. sua argumentação mostrou-se Bíblica e equilibrada.
Quanto à exegese dos textos supra citados é de uma clareza meridiana, tendo como suporte grandes teólogos do cristianismo.
Já havia lido o seu texto sobre as duas naturezas de Cristo na Revista Resposta fiel (que lamentavelmente deixou de ser publicada)mas este post veio esclarecer mais ainda a minha compreensão do assunto. Obrigado! Continue e exposar a reta doutrina.

Pb. Edinei, Th.B

Silas Daniel disse...

Caros irmãos,

Obrigado pelas palavras de apreço e motivação. Quero aproveitar para ressaltar que não foi com prazer que escrevi o que escrevi, posto que o assunto envolvia um amado irmão em Cristo que sempre foi meu amigo. Tive de escrever sobre o tema pois, além de tratar-se de uma doutrina de grande importância para o Cristianismo, o desenrolar de toda essa história acabou envolvendo-me. Aproveito ainda para ressaltar também que o fato de meu irmão ter cometido esse deslize não invalida tudo que escreveu, escreve e continua escrevendo em defesa da ortodoxia bíblica.

Abraços a todos!

Silas Daniel disse...

Irmão Newton,

???????????

Anônimo disse...

Silas,

Excelente seu comentário. Ciro tenta apresentar justificativas entendendo que as propriedades de ambas as naturezas de Jesus não se manteriam intactas se fossem iguais a nossa.È uma espécie de neoeutiquianismo. Que pena!

Gilson Barbosa.

Newton Carpintero, pr. e servo disse...

Sim, irmão Silas,

!!!!!!!!!!!??????

Anônimo disse...

Eu não entendo como esse Newton Carpinteiro consegue complicar o descomplicado,bom o que ele escreve acho que nem ele entende.



Mario.

Anônimo disse...

Pr Silas Daniel,

Com certeza foi Deus que conduziu os fatos para que ambos os textos de sua autoria acerca do tema, Jesus 100% Deus e 100% Homem fossem escritos em defesa da fé cristã. Louvado seja o nome do Senhor para sempre, pois Ele nunca deixa ninguém enganado. Em ambos os textos podemos perceber o seu cuidado, dedicação, minuciosidade para que estes fossem produzidos com o devido respaldo bíblico. Apesar de longos, os textos prendem a nossa atenção, e além disto percebemos também extrema coerência com os fatos que os antecederam. Penso que todos aqueles que amam ao Senhor e a sua Palavra se sentiram aliviados com as duas publicãções. Penso também que em ambos, exatamente pela forma com o qual tinham que ser escritos, cumprir-se-á a Palavra de Deus que diz:

"A misericórdia e a verdade se encontraram; a justiça e a paz se beijaram". Sl 85.10

Fausto Neto disse...

Meus queridos irmãos,em CRISTO JESUS ,vamos ORAR mais e PRINCIPALMENTE AMAR mais uns aos Outros ...
Oreis por mim.

Fausto Neto ...

Lucas Marim Santos disse...

1 João 4:2 Nisto conhecereis o Espírito de Deus: todo espírito que confessa que Jesus Cristo veio em carne é de Deus;
1 João 4:3 e todo espírito que não confessa que Jesus Cristo veio em carne não é de Deus; mas este é o espírito do anticristo, do qual já ouvistes que há de vir, e eis que está já no mundo.

1 Timóteo 2:5 Porque há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo, homem,

Filipenses 2
5 De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus,
6 que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus.
7 Mas aniquilou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens;
8 e, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte e morte de cruz.
9 Pelo que também Deus o exaltou soberanamente e lhe deu um nome que é sobre todo o nome,
10 para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra,
11 e toda língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai.

ROBSON SILVA disse...

Prezado Pr. Silas Daniel,

É esta a terceira ou quarta vez – não lembro exatamente, mas sei que foram poucas as vezes – que posto algum comentário neste precioso blog. Para mim é sempre uma alegria poder partilhar das migalhas que caem da mesa.

Que reste claro, no entanto, que todo o conteúdo do blog é como um grande banquete; eu é que não posso alcançar os manjares mais elevados, por isso fico com o restolho, ou o que posso abocanhar... Espero que tenha entendido o que quero dizer.

Sobre o tema em questão, de pequenino que sou – sem mimetismos com o amigo Pr. Newton Carpintero – entrei de "gaiato" no debate na tentativa de "aplacar" e até contribuir – se é que se pode acrescentar algo – para que o entendimento daqueles menos providos (por assim dizer) de conhecimento teológico, como eu, não ficasse de todo nublado, turvo, confuso, perdido...

É importante lembrar que em franca arena – como gosto de chamar o espaço cibernético conhecido como blogosfera – temos que considerar a presença de neófitos, incautos, aventureiros, oportunistas de plantão, além dos pequeninos e sinceros servos do Senhor em busca de crescimento e graça... Daí a necessidade de um cuidado maior por parte daqueles que são para nós espelho, referencial, modelo, paradigma, na hora de “rasgar o verbo”.

Daí por que, em minhas considerações bastante simples, recorri ao pouco conhecimento adquirido a partir de um devocional diário praticado pura e "simplesmente" pela Palavra de Deus, por meio da qual achei Jesus: 100% DEUS, 100% homem. Se não recorri aos grandes pensadores da ortodoxia cristã, no entanto, é por não tê-los a mão no momento, e por considerá-los, à vista do meu propósito, dispensáveis.

A Bíblia deu conta do recado.

Quanto ao texto do preclaro irmão tenho que confessar que num primeiro momento me assustou – quase desisti da leitura. Mas com um pouco de perseverança e paciência cheguei ao final ainda mais seguro de que Nosso Mestre e Senhor foi, de fato, 100% homem, sem nunca ter deixado de ser 100% Deus.

Só espero que toda essa discussão não seja apenas um pano de fundo para outros interesses que não o de chegarmos, pela Palavra, ao pleno conhecimento da Verdade.

Que o ETERNO prossiga te abençoando rica e abundantemente.

Abraços,

N'Ele, Esperança da Glória,

Pb. Robson Silva
Prossigo para o Alvo... Fp 3:14

Lucas Marim Santos disse...

A Paz do Senhor

Não precisamos discordar e contender, quando temos muitíssimo motivos para nos alegrar pelo sacrifício de Jesus. Não preciso saber em qual proporção Jesus era homem ou Deus para que eu me achegue a Deus e o conheça. Preciso apenas adentrar pelo Caminho. Sei que seu sacrifício vivo foi perfeito e por Ele eu tenho acesso a Deus. Sei o que está escrito. Sei que Ele foi diferente de qualquer outro homem.

Efésios 1.
15 ¶ Pelo que, ouvindo eu também a fé que entre vós há no Senhor Jesus e a vossa caridade para com todos os santos,
16 não cesso de dar graças a Deus por vós, lembrando-me de vós nas minhas orações,
17 para que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos dê em seu conhecimento o espírito de sabedoria e de revelação,
18 tendo iluminados os olhos do vosso entendimento, para que saibais qual seja a esperança da sua vocação e quais as riquezas da glória da sua herança nos santos
19 e qual a sobreexcelente grandeza do seu poder sobre nós, os que cremos, segundo a operação da força do seu poder,
20 que manifestou em Cristo, ressuscitando-o dos mortos e pondo-o à sua direita nos céus,
21 acima de todo principado, e poder, e potestade, e domínio, e de todo nome que se nomeia, não só neste século, mas também no vindouro.
22 E sujeitou todas as coisas a seus pés e, sobre todas as coisas, o constituiu como cabeça da igreja,
23 que é o seu corpo, a plenitude daquele que cumpre tudo em todos.
Efésios 2

1 ¶ E vos vivificou, estando vós mortos em ofensas e pecados,
2 em que, noutro tempo, andastes, segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe das potestades do ar, do espírito que, agora, opera nos filhos da desobediência;
3 entre os quais todos nós também, antes, andávamos nos desejos da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos por natureza filhos da ira, como os outros também.
4 ¶ Mas Deus, que é riquíssimo em misericórdia, pelo seu muito amor com que nos amou,
5 estando nós ainda mortos em nossas ofensas, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos),
6 e nos ressuscitou juntamente com ele, e nos fez assentar nos lugares celestiais, em Cristo Jesus;

Irmãos, peço que humildemente nos cheguemos ao Senhor, para que não entremos em questões, mas possamos desfrutar da plenitude em Jesus Cristo.

Tivemos na última lição da Escola Dominical uma questão intrigante sobre quando a Igreja de Cristo foi instituída, devido a afirmação do autor da lição (da CPAD) de que a Igreja foi instituída no Pentecostes.

Posso ter minhas particularidades de pensamento, mas sei que, olhando para a Palavra de Deus, não me importa qual a data de instituição da Igreja. Importa que Jesus viveu para que nós aprendêssemos com Ele, morreu para que vivêssemos por Ele, ressucitou para esperássemos nEle todos os dias, sabendo que Ele vive, voltará para nos buscar e, mesmo assim, continuaria conosco sempre. Hoje, marcados pelo dia de pentecontes, sabemos que temos um Consolador. Jesus está conosco, as outras coisas não importam, estejamos com Ele.

Que a Paz de Jesus Cristo esteja em nossos corações sempre.
Desde já peço ao Senhor para que nos cheguemos ao Senhor, deixando de lado um pouco da altivez teológica, mas nos aprofundando mais e mais no amor de Cristo.

Tiago Rosas disse...

Caro irmão Silas,

Já que estamos falando de incoerências, deixe-me apenas relembrar: ora o irmão, referindo-se (in)diretamente ao pr. Ciro, diz "Isso é assinar um atestado de heresia!", ou seja, para um leitor mais simples, o sr. afirma que o pastor Ciro firmou acordo com a heresia. Ok. Posteriormente, num comentário, o sr. diz "o fato de meu irmão ter cometido esse deslize não invalida tudo que escreveu, escreve e continua escrevendo em defesa da ortodoxia bíblica". Ou seja, agora o sr. trata a "heresia" do Pr. Ciro como um 'deslize', ou será que isso foi um pretenso eufemismo? E ainda diz que ele "continua escrevendo em defesa da ORTODOXIA BÍBLICA".

Agora reflita comigo, caro irmão: não há uma incoerência argumentativa entre a sua primeira frase e a segunda, ou será que eu também sou um herege por interepretar assim suas palavras? A propósito, quantos artigos o amado irmão escreveu em seu blog quando o pr. Antonio Gilberto (sabemos quem é este grande homem de Deus) ora disse que o Batismo com Espírito Santo era necessário para recebimento dos dons e outrora desdisse estas mesmas palavras, dizendo que o batismo não precede necessariamente os dons? Ah! Mas há uma grande diferença entre as incoerências do Pr. Antonio Gilberto e as incoenrências do Pr. Ciro e as suas incoerências, não é verdade?

E o que sobra na blogosfera? Um clima anticristão de conspirações, richas, acusações e soberba. Ninguém liga para o conselho paulino: "por que não sofreis o dano, em vez de entrar nestas demandas?" Vamos esbanjar exegese, vamos defender nosso pescoço, nem que tenhamos que tachar nossos amigos de ministéio, de púlpito e de profissão de hereges e depois vir aqui pra fazer uma média com eles.

Deus nos livre de nós mesmos!

Pr. Luiz Fernando disse...

Prezado Pr. Silas,
excelente seu texto. Vem de encontro com a heresia defendida pelo referido colega em seu blog. Infelizmente qualquer que discordar da postura dele recebe ataques de todos os flancos. Além de errar grotescamente sobre a humanidade de Cristo, ele comente outro erro ao afirmar que Cristo ao se encarnar abriu mão de alguns atributos da divindade, seria o mesmo que dizer que Ele ao se encarnar era menos Deus do que era. Creio que o colega que defendeu a transcendência da humanidade de Cristo dificilmente voltará atrás em suas colocações. Reconhecer e abandonar tal postura seria o mais natural, mas exigiria muito exercício de humanidade de sua parte. Suas ponderações sobre o texto do referido colega são bíblicas, teológicas e históricas. Parabéns.
Um abraço
Em Cristo
Pr. Luiz Fernando

Silas Daniel disse...

Caro Tiago Rosas,

Deslize significa falta, falha; sugere eventualidade e não ausência de erro. Logo, como estaria eufemizando o erro? Chamo a atenção dos meus leitores para o fato de que estamos tratando de um erro isolado na teologia do nosso irmão, e não para dizer que esse erro não é grave, se não estaria me contradizendo. Uma coisa é dizer que um erro é isolado; outra coisa é dizer que esse erro isolado é ou não grave. Dizer que um erro é isolado não significa dizer que ele não é grave. É dizer apenas que ele não é um dentre tantos. Será que é difícil entender isso?

E por ser isolado, daí o meu lamento. Lamento de que esse erro tenha partido na blogosfera de um irmão que até então sempre defendeu a ortodoxia bíblica e continua defendendo-a em todos os demais pontos em que professa sua fé. Ou seja, seu erro é pontual, eventual, MAS NÃO POR ISSO NÃO-GRAVE. Não é mais um erro doutrinário dentre tantos outros em sua teologia, mas um erro (pelo menos que eu saiba, um só), e GRAVE em si mesmo. E grave por quê? Porque é um erro que envolve uma doutrina bíblica FUNDAMENTAL da fé cristã. Por isso é gravíssima.

Já escrevi neste blog que professo as doutrinas bíblicas esposadas pela Assembleia de Deus, mas não considero grave divergências de irmãos meus em torno de doutrinas bíblicas periféricas. Nesses casos, defendo minha posição, mas sem taxar de hereges meus irmãos que divergem em torno de doutrinas bíblicas secundárias. Agora, erros relativos a DOUTRINAS BÍBLICAS FUNDAMENTAIS é outra coisa muitíssimo diferente. Aí é falha mesmo. Aí é heresia.

Quem está eufemizando mesmo, Tiago, é você, ao querer que eu trate um erro concernente a uma doutrina bíblica fundamental da mesma forma que trato divergências em torno de doutrinas bíblicas periféricas. Essa falácia, caro, é velha e não cola por aqui.

Silas Daniel disse...

Caro Lucas, a Paz!

Uma coisa é termos discordâncias em torno de doutrinas bíblicas secundárias, outra é em torno de doutrinas bíblicas fundamentais. As duas coisas devem ter tratamentos diferentes. Se não, encontrar-me-ei a equivocadamente taxar de hereges irmãos de outras denominações (batistas, metodistas, presbiterianos etc) que divergem de mim em alguns pontos, mas que vão para o mesmo Céu para onde vou. Agora, doutrinas bíblicas fundamentais é outra história. Se Jesus não era plenamente homem em Sua encarnação como eu e você, se não era 100% homem em Sua encarnação, então estamos em choque direto com os textos que você citou anteriormente, além de Hebreus 2.14-17 e 4.15, que são claríssimos quanto a essa verdade, esposada por todas as vertentes do Cristianismo, sejam protestantes, católicos ou seguidores da Igreja Ortodoxa. Jesus não era diferente de nós como humanos, mas consubstancial conosco na humanidade; Ele era diferente de nós no que diz respeito à divindade, pois é óbvio ululante que nunca fomos nem seremos como Deus, mas Jesus é Deus desde toda a eternidade - daí João chamá-lo Unigênito de Deus, para destacar que Jesus é e sempre foi Deus desde toda a eternidade. Ele foi 100% homem em Sua encarnação, mas sem deixar de ser 100% Deus como é e sempre foi desde toda a eternidade.

Jesus: 100% Deus e 100% homem - Eis o mistério da encarnação, diante do qual só nos cabe adorar; adorar o Senhor que encarnou para nos dar o exemplo de como devemos viver e, precipuamente, acima de tudo, para morrer em nosso lugar para nos propiciar a Salvação. Glórias eternamente ao Cordeiro de Deus imolado antes da fundação do mundo!

Abraço!

Silas Daniel disse...

Caro Fausto,

Vamos orar mais, amar mais e, concomitantemente, sermos firmes na defesa das verdades fundamentais da fé cristã, não deixando crentes sinceros na dúvida quanto a essas verdades.

Abraço!

Silas Daniel disse...

Caro Gilson Barbosa,

Surpresa vê-lo por aqui mais uma vez! Uma abraço no irmão e nos demais irmãos que militam no Instituto Cristão de Pesquisas.

Pastor Robson,

Obrigado pelas palavras de apreço e motivação. Fico feliz em saber que os textos deste blog têm sido sido bênção para a vida do irmão. Deus também continue abençoando o irmão e seu minitério.

Pastor Luiz Fernando,

Obrigado pelas palavras de apreço e motivação. Não sabia que havia ainda esse equívoco em relação ao entendimento sobre os atributos divinos de Cristo em Sua encarnação. Se há mesmo, é uma pena. Aí as coisas se complicam mais ainda.

Abraços a todos!

Anônimo disse...

Uma Pergunta:

Jesus nasceu em pecado, conforme Salmos 51:5 ?


grato
Alesandro

Silas Daniel disse...

Caro Alessandro,

Claro que não! Para não me repetir aqui sobre esse assunto, favor ler meu artigo anterior de 21 de outubro:

http://silasdaniel.blogspot.com/2010/10/jesus-e-100-homem-e-100-deus.html

Anônimo disse...

desculpe por não ter lido seu texto anterior, ele foi muito esclarecedor.

Alesandro

charles oliveira disse...

como todos os seus artigos pastor silas, este é otimo e edificador ,como o senhor gosta de dizer em seus livros ,este artigo é: "clarificador".rsrsr
sem demagogia,caro pastor silas gosto muito de teus escritos tenho seus livros estudo eles de forma minuciosa e me espelho no senhor ,assim como o senhor sou um obreiro jovem e firmado em cristo e preocupado em defender a ortodoxia, fiz vinte anos e ja tenho matérias escritas desde os 16,e pretendo publicar como livro em breve.
Em breve enviarei partes de meus materias para quando o senhor obtiver um tempinho avaliar para mim.caso seja possível .
as vezes fico impressionado com as riquezas dos teus escritos.o livro seduçoes das novas teologias nao é bom,é otimooo.recomendo a todos os meu amigos e tbm aos meus alunos do instituto biblico,penso que todos devem ler pois é de uma clareza impar .
.um forte abraço ,caro jovem mestre(pr silas daniel)

em cristo: charles oliveira

charles disse...

muito bommmmmmmmmmm!!!!!